Acompanhando Interface Ativa!

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Google é condenado a indenizar jornalista gaúcha por danos morais

Empresa não retirou do ar comunidade que difamava assessora de comunicação de São Luiz Gonzaga


A Justiça condenou o Google Brasil a pagar R$ 5 mil a uma assessora de comunicação de São Luiz Gonzaga, nas Missões. Aline de Oliveira Fernandes, 24 anos, descobriu uma comunidade do Orkut com o título “Detesto essa Aline Louca”, que a ofendia e difamava, e processou a empresa.

Na própria página da rede social, por meio do botão “Denunciar abuso” a jovem pediu a exclusão do conteúdo, mas não obteve resposta. Na Justiça, Aline pediu que a comunidade fosse retirada do ar e o pagamento de indenização por danos morais.

— Espero que outras pessoas sigam meu exemplo e não se calem diante de injustiças — desabafa a jornalista.

Depois de recorrer da sentença em setembro de 2008, o Google Brasil foi condenado a pagar R$ 5 mil à gaúcha.

— Foi demonstrado no processo que a empresa foi negligente e não tirou a comunidade do ar, apesar das solicitações — diz o juiz Luiz Antônio de Abreu Johnson.

Segundo a assessoria do Tribunal de Justiça do Estado, a empresa já entrou com recurso. Procurado por ZH, o Google Brasil, por meio de sua assessoria, disse não comentar casos específicos.

Meu Comentário!

A nota acima, publicada na ZH Digital, hoje, 29, demonstra que o anonimato na internet é passível de ser identificado e alcançado pela Justiça.

É praxe alguns blogueiros, sem compromisso com a ética e a verdade, se valerem de supostos comentários anônimos para divulgarem boatos e assacar acusações a terceiros, quando não querem assumir o ônus da manifestação e da possível necessidade do ônus da prova - Não fui eu que disse, a informação é anônima!.

Agora, fica muito claro que a não há mais fonte anônima na internet para proteger boateiros e caluniadores contumazes.