Acompanhando Interface Ativa!

quarta-feira, 7 de julho de 2010

A qualidade da educação brasileira

O artigo que reproduzo, logo abaixo, é de autoria do jornalista Gilberto Dimenstein e foi publicado no domingo, 4 de julho, na seção Cotidiano, do jornal Folha de São Paulo. Acredito que seja uma das análises mais sensatas e lúcidas sobre a qualidade da educação brasileira, a partir dos resultados apurados pelo IDEB - Índice de Desenvolvimento da Educação Básica.

O artigo me foi enviado pelo prezado amigo Professor João Paulo de Oliveira, que é Pedagogo, Mestre em Educação e atua como educador das séries iniciais na Escola Municipal Anita Catarina Malfatti, em Diadema, SP e exerce, também, o cargo de Coordenador Pedagógico na EMEF Dr. Habib Carlos Kyrillos, na municipalidade paulistana. Aliás, o Professor João Paulo, há anos, utiliza o jornal em sala de aula, com excelentes resultados. A propósito, ele diz que o seu objetivo, como educador, é transformar os alunos em leitores vorazes e grandes consumidores de bens culturais! Que maravilha se todos os professores agissem assim!

Acompanhem o artigo:

SERRA É O CANDIDATO DE LULA?

"FORAM DIVULGADOS, na quinta-feira passada, em meio a um emaranhado de números e conceitos, os resultados da qualidade da educação no Brasil (Ideb). Sua melhor e mais simples tradução estava num detalhe da pesquisa do Datafolha sobre a eleição presidencial, divulgada no dia seguinte. Apesar do intenso bombardeio nos mais variados meios de comunicação, 1 em cada 5 eleitores não sabe quem é o candidato de Lula – alguns, aliás, acham que os preferidos do presidente são José Serra e Marina Silva.

Se 20% desconhecem que Dilma Rousseff é a candidata oficial, imagine quantos entendem as propostas dos candidatos. A imensa maioria, mesmo nas classes mais ricas, não conhece o nome dos ministros, muito menos seus programas. A percepção é baseada em imagens, emoções e senso comum.

Poucos alunos do ensino médio saberiam dizer que a proporção 1 em cada 5 equivale a 20%.Tampouco identificariam a ideia mais importante de cada parágrafo deste texto. Isso é o que representa a média 3,6 alcançada por aqueles estudantes – ou o fato de apenas 1% deles ter atingido o nível avançado.
*
Mais importante do que a nota de português e matemática, a principal base de cálculo do índice de qualidade do ensino são as consequências práticas do aprendizado. Não se educa para fazer provas, mas para propiciar autonomia de vida.

Lideranças empresariais que estão aprendendo a ler estatísticas educacionais (antes restritas a pedagogos), traduzem os dados divulgados na quinta-feira olhando para seus negócios. Não saber que 20% significam 1 em cada 5 ou não localizar a informação mais importante de um texto significa falta de trabalhador qualificado, portanto, menos chance de expandir a produção e ampliar os lucros.

Daí o consenso nacional sobre o ensino técnico. Só que o trabalho é apenas uma dimensão da cidadania. Existe também o direito de usufruir das riquezas culturais, científicas e tecnológicas da humanidade.
*
Muitas vezes, por não estarem conscientes dessa obviedade, as escolas empanturram os currículos com inutilidades, propagadas apenas pela tradição. Não deveria surpreender a taxa de evasão ou o desinteresse, especialmente nas redes oficiais.

Trabalhando com educação e comunicação em escolas e projetos sociais, aprendi que um dos melhores jeitos de seduzir estudantes é usar a notícia como matéria-prima e associá-la ao currículo. Uma eleição consegue se transformar numa rica fonte de provocações e curiosidades.
*
Não bastam projetos esparsos para explicar as notícias nas escolas. A realidade deve pautar diariamente os professores, convidados a estabelecer relações para transformar informação em conhecimento.

Não estou propondo que se joguem fora os livros didáticos, mas que eles sejam encaixados no cotidiano. Por que não aprender matemática com gráficos de uma pesquisa eleitoral e português com as falas ou os artigos dos candidatos?
*
Quanto mais pobres os alunos, mais cabe às escolas fazer essa conexão – afinal, muitas delas vêm de famílias com baixo repertório cultural. Doutor em economia pela Universidade de Londres e professor da USP, Naércio Menezes Filho tem mergulhado nos resultados das provas, tentando descobrir as razões do sucesso e do fracasso escolar. Para ele, 70% do desempenho está relacionado a fatores externos à escola, sobretudo à base familiar.

Pais mais educados conseguem fazer a lição de casa com os filhos, levá-los a médicos, a museus, a teatros ou a cinemas, proporcionar-lhes viagens, apresentá-los a livros e revistas, oferecer-lhes internet com banda larga. Também são explicadoras de notícias. Em casa, conversam sobre questões sociais, econômicas e políticas.

Sei que as escolas públicas ainda requerem muitas coisas básicas, a começar de professores com boa formação, mas, para ter um índice educacional de verdade, é preciso medir quantos conseguem um bom emprego ou entendem um debate eleitoral.

Ninguém tem um mínimo de autonomia se estiver desempregado ou não puder compreender o que os governantes fazem com a sua vida.

PS – Não deixo de reconhecer os avanços, expressos no Ideb, divulgados na semana passada. Um deles é a percepção de que a juventude é uma questão central e, sem tornar o ensino médio mais útil e atrativo, não há civilidade possível."

*Gilberto Dimenstein, 53 anos, é membro do Conselho Editorial do jornal Folha de São Paulo e criador da ONG Cidade Escola Aprendiz. Coordena o site de jornalismo comunitário da Folha.


Por relevante, publico o gentil comentário do Professor Ms João Paulo de Oliveira:

"Prezadíssima jornalista Nivia Andres!
Fiquei honradíssimo com a deferência! Muitíssimo obrigado!
Aproveito o ensejo para informá-la que tenho a gratíssima satisfação de saber que tornou-se de domínio público que minha amada Escola Municipal Anita Catarina Malfatti, onde atuo desde o ano 2001, obteve nota 6,1 no IDEB!!!
Das escolas municipais diademenses,que já pertenciam à Rede Municipal de Ensino antes da municipalização de algumas escolas estaduais, é a maior nota!!!
Graças aos valiosos préstimos do jornalista Alício Capel, proprietário do periódico "Diário Regional", que circula na Região do Grande ABC, tenho a prerrogativa de ter a rotina semanal com a leitura do jornal citado, desde os últimos anos da década de 90, onde cada pequenino recebe o seu exemplar, que é trabalhado interdisciplinarmente e depois levado para casa... Este auspicioso fato, que torna significativos os conteúdos escolares e atrelados ao cotidiano, vai ao encontro do que apregoa o renomado jornalista Gilberto Dimenstein!!
Aliás, este imperdível e palpitante artigo de autoria deste conceituado jornalista, colocarei como tema de discussão na Parada Pedagógica, prevista para o dia 19 vindouro, na escola da municipalidade paulistana onde ocupo o cargo de Coordenador Pedagógico!!!
É muito gratificante quando um regente que atua na rede pública de ensino é enaltecido, principalmente levando-se em conta que o reconhecimento vem de uma formadora de opinião arguta, erudita e atuante, como a Senhora!!

Calorosas saudações pedagógicas!
Até breve...

João Paulo de Oliveira
Diadema-SP"

3 comentários:

Prof Ms João Paulo de Oliveira disse...

Prezadíssima jornalista Nívia Andres!
Fiquei honradíssimo com a deferência! Muitíssimo obrigado!
Aproveito o ensejo para informá-la que tenho a gratíssima satisfação de saber que tornou-se de domínio público, que minha amada Escola Municipal Anita Catarina Malfatti, onde atuo desde o ano de 2001, obteve a média de 6.1 no IDEB!!! Das escolas municipais diademenses, que já pertenciam a Rede Municipal antes da municipalização de algumas escolas estaduais, é a maior nota!!!
Graças aos valiosos préstimos do jornalista Alício Capel, proprietário do periódico "Diário Regional", que circula na Região do Grande ABC, tenho a prerrogativa de ter a rotina semanal com a leitura do jornal citado, desde os últimos anos da década de 90, onde cada pequenino recebe seu exemplar, que é trabalhado interdisciplinarmente e depois levado para casa... Este auspicioso fato, que torna significativo os conteúdos escolares e atrelados ao cotidiano, vai de encontro ao que apregoa o renomado jornalista Gilberto Dimenstein!!!... Aliás, este imperdível e palpitante artigo de autoria deste conceituado jornalista, colocarei como tema de discussão na Parada Pedagógica, prevista para o dia 19 vindouro, na escola da municipalidade paulistana, onde ocupo o cargo de Coordenador Pedagógico!!!
É muito gratificante quando um regente, que atua na rede pública de ensino é enaltecido, principalmente levando-se em conta que o reconhecimento vem de uma formadora de opinião arguta, erudita e atuante, como a Senhora!!
Calorosas saudações pedagógicas!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Diadema-SP

Guilherme Freire Gameplay disse...

Oi professo, gostava muito das suas aulas em 2010 e 2011 quando você dava jornais pra nós relatamos sobre as notícias. E também muito boa a escola.

Guilherme Freire Gameplay disse...

Oi professo, gostava muito das suas aulas em 2010 e 2011 quando você dava jornais pra nós relatamos sobre as notícias. E também muito boa a escola.