Acompanhando Interface Ativa!

sexta-feira, 2 de julho de 2010

A derrota e o pênalti

Escrevi o artigo que está abaixo antes da partida entre Brasil e Holanda e resolvi mantê-lo, a título de informação e curiosidade, pois o pênalti tem sido, historicamente, encarado como uma loteria e nem sempre é garantia de gol, que o digam os goleiros e os jogadores escolhidos para baterem a falta máxima.

Quanto ao resultado que nos tirou a possibilidade de seguirmos em busca do hexacampeonato mundial, creio que a Seleção Brasileira foi a responsável direta pelo infortúnio, pois não soube aproveitar a imensa vantagem que adquiriu no primeiro tempo de jogo, onde deveria ter liquidado a fatura. No segundo tempo, os gols da Holanda, que aconteceram por falta de atenção da nossa defesa, a imbecilidade cometida por Felipe Melo, a falta de banco e o desquilíbrio infantil que acometeu os nossos jogadores, sem a mínima capacidade de reação, sepultaram de vez o sonho do hexa. Paciência. E que sirva, mais uma vez, de lição: o campeão mundial será o time que for mais competente e tiver equilíbrio emocional para superar as dificuldades havidas durante a partida. A Holanda estava morta e ressuscitou. Teve força e controle, o que não soubemos administrar.

A derrota é um dos resultados possíveis em qualquer empreitada. Cabe que tenhamos força e ousadia para empreender a virada! Em 2014 será outra história! E vamos em frente!

O PÊNALTI PERFEITO

Nas fase das oitava-de-finais da Copa do Mundo de Futebol 2010, quando 16 seleções disputaram as oito vagas das quartas-de-finais, nenhum jogo poderia terminar empatado. Em caso de escore igual, a regra vigente, fixada pela Internacional Board, órgão da FIFA, determina que haja prorrogação de 30 minutos, em dois tempos de 15. Persistindo o empate, serão cobradas penalidades máximas, os populares e terríveis pênaltis...em séries iniciais de cinco cobranças alternadas, para cada time, até que se defina o vencedor. Se ainda assim a igualdade no placar persistir, serão cobradas séries de um, alternadas, na espera do desempate. A mesma regra será observada nas semifinais e na grande final, que vai apontar a Seleção Campeã do Mundo.

Pois bem, o pênalti, nas circunstâncias mencionadas, é a medida extrema para resolver um imbróglio provocado pela inoperância dos atacantes ou pela excelência dos defensores das equipes contendoras. Muita gente diz que pênalti é loteria, mas esse pensamento está mudando, a partir de estudos e ensaios científicos exaustivos, que utilizam tecnologia de ponta e apontam uma série de providências para que esse tiro seja o de misericórdia...

Adrian Lees, da Liverpool John Moores University realizou experimentos através da medição do tempo em que o goleiro demora para chegar nos diferentes pontos do gol. De posse dessa informação, é fácil calcular a velocidade que a bola deve atingir para que o goleiro não tenha tempo de chegar nela. Em outros dois estudos, um do Prof. Dr. Ronald Dennis Ranvaud e sua equipe, do Laboratório de Fisiologia do Comportamento, da USP e outro, igualmente, de Lees, foram identificadas as áreas do gol em que, historicamente, é raríssimo o goleiro conseguir defender. Assim, pode-se determinar uma estratégia que garanta ao cobrador fazer o gol - Chutando no meio dos quatro retângulos superiores da goleira, pois é um lugar difícil para o arqueiro defender, a uma velocidade superior a 80 km/h, propiciando que a bola chegue no ponto pretendido antes do goleiro, mesmo que ele se antecipe em 500 milésimos de segundo ao chute..

Para os diletantes, os que querem aprender e, especialmente, para os curiosos, como eu, algumas dicas para que a cobrança do pênalti seja perfeita, segundo os entendidos:

- Fique no lugar certo, posicionando-se de quatro a seis passos atrás da bola, pois a distância possibilitará uma combinação perfeita entre velocidade e força. Assim, a bola chegará ao gol na velocidade ideal que situa-se entre 90 e 104Km/h;

- Após o apito, seja muito rápido, para surpreender (três segundos) ou muito lento, para que o goleiro fique nervoso (13 segundos);

- Bata com a parte de dentro do pé, o que aumentará em 25% as chances de marcar;

- Mire o centro do gol pois, em 93,7% dos casos os goleiros pulam para os lados porque não aguentam ficar parados e deixam o meio do gol aberto, influenciados pelo que cientistas israelenses chamam de “tendência à ação”.

Porém, mesmo com toda a técnica moderna, é preciso ter categoria para chutar bem e marcar mesmo se o goleiro adivinhar o canto.

Há, entretanto, outro detalhe ao qual nenhuma técnica resiste – a condição psicológica do jogador que vai bater o pênalti já que, na maioria das vezes, o ambiente é tenso, de elevada ansiedade e expectativa e no atleta estão concentradas todas as esperanças do time, da comissão técnica e dos torcedores. O psicólogo Greg Wood, da inglesa Exeter University, avisa que a ansiedade exacerbada faz com que o batedor concentre sua atenção no goleiro, facilitando a defesa. Assim, sugere que o jogador mantenha o controle emocional, desviando o olhar do adversário, concentrando-se apenas na bola e no canto em que vai desferir o tiro mortífero!

Como apreciadora do bom futebol, agradou-me conhecer as novas técnicas empregadas para que a cobrança de penalidades máximas seja eficiente, ainda mais nessa fase da Copa do Mundo pois, segundo as estatísticas existentes, de mundiais anteriores, a seleção campeã terá mais de 50% de probabilidade de ter que enfrentar uma ou mais decisão por pênaltis em sua trajetória rumo ao título.

Publicado originalmente no Blog de Edward de Souza, em

Um comentário:

Prof Ms João Paulo de Oliveira disse...

Prezada jornalista Nívia Andres!
O show deve continuar!
Luzes! Câmeras! Ação!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Diadema-SP