Acompanhando Interface Ativa!

quinta-feira, 27 de maio de 2010

A REPÚBLICA DA LÍNGUA PRESA

Desde logo vou avisando: não trata esse singelo escrito do pequeno problema de articulação do órgão muscular móvel, situado na boca, que serve para sentir os sabores, deglutir e articular sons, apresentado por alguns políticos que se movem com grande relevo no cenário nacional e internacional, conhecido, erroneamente, como língua presa. Tecnicamente, o nome da deficiência é língua flácida e pode ser corrigida por um bom especialista em fonoaudiologia, se o vivente quiser...

Afastando a digressão, voltemos à questão prioritária que enseja a discussão desejada – a dificuldade de expressão verbal e escrita que apresentam os brasileiros, como usuários da Língua Portuguesa, para comunicar pensamentos, desejos e emoções. O idioma pátrio, o vernáculo encontra-se, permanentemente, atrás das grades, assassinado, morto e enterrado por gente que nunca fez questão de fazer o dever de casa. Há exceções óbvias, quem nunca teve oportunidade de estudar, por miséria extrema, possui atenuantes...

É certo, também, que as políticas governamentais de Educação têm redundado em fracasso e não são prioridade, até mesmo porque um povo inculto, inerte e acrítico pode ser mais facilmente dominado – aceita tudo, nada questiona!

Vejam bem, quem deveria fornecer exemplos de virtude vocabular são os personagens que ora nos representam na seara política, já que de suas mãos e mentes é gerado e conformado o arcabouço legal que move o país.

E justamente as personagens da política são os maiores criminosos do vernáculo pois que o ferem de morte constantemente, sem a menor cerimônia, a sangue frio. O maior problema é que as excelências sequer conseguem articular convenientemente a palavra-chave de sua ação política – a proposta de solução para os “problemas” que o país enfrenta. Daí, é um tal de “poblema”, “probrema”, “plobema” “pobrema”...Pobres de nós! Parafraseando Dadá Maravilha, o homem-gol, ora transitando no cenário nacional como palestrante motivacional, para essa problemática, por enquanto, não há solucionática...

Aliás, o mandatário-mor da nação tem prestado relevante desserviço ao povo na medida em que não perde oportunidade para repudiar boas e saudáveis práticas de leitura, ao afirmar que não lê jornais porque lhe causa azia; que não estudou porque não viu necessidade...glamurizando o fato de um operário, um homem humilde, sem estudo, ter chegado à presidência da República. Ora, não é demérito ser humilde, simples, sem posses. Denigre sua imagem quem faz a apologia da ignorância, da mediocridade. Melhor e mais apropriado seria o estímulo, pelo exemplo pessoal e através de ações e iniciativas governamentais, da importância da educação sistemática e continuada, para que os conterrâneos possam adquirir habilidades e competências que os façam crescer pessoal e profissionalmente. Ganham os indivíduos, enriquece a nação!

Não podemos esquecer que a situação do Brasil é aflitiva no que tange à Educação, já que ainda são altas as taxas de analfabetismo e, mesmo os estudantes que adquiriram as habilidades de ler e escrever são considerados analfabetos funcionais pois sequer conseguem formular uma frase completa, resolver um problema de ordem matemática que exija algum raciocínio lógico ou interpretar textos sem maior complexidade. Se “O Cara” utilizasse o seu carisma e os altos índices de popularidade que amealhou para estimular o povo a pensar, através da educação, teríamos melhor sorte...

Assim, nossa República continuará com a língua presa, sem direito a habeas-corpus ou progressão de pena, pois crime hediondo não dá direito à liberdade condicional...

----------------------------------------------------------------------------------
Publicado, originalmente, no Blog Crônicas de Edward de Souza e Amigos Jornalistas, em http://artigosedwardsouza.blogspot.com, em 27mai2010.

Um comentário:

Prof Ms João Paulo de Oliveira disse...

Prezada jornalista Nívia Andres!
Parabenizo-a pela iniciativa de trazer à baila tão palpitante e cruciante tema!!!
Esta perniciosa situação, do não domínio pleno das competências leitora e escritora, não se restringe a nossa amada Pátria...
Sua brilhante pena desvelou, sem vaselina, a trágica situação do analfabetismo funcional, que tanto aflige aqueles que têm como ofício, mediar e facilitar o adentramento de pequeninos no fascinante e interminável mundo da leitura e escrita, mas que deixa políticos inidôneos, jubilosos, porque desta forma conseguem facilmente enganar a massa inculta.
Mesmo aquela diminuta parcela da população de leitores e escritores vorazes e competentes, somente alguns exercem plenamente sua cidadania plena externando, através da linguagem escrita aquilo que sentem ou pensam sobre determinado assunto. Diariamente me deparo com pais, regidos e regentes, que externam com ardor oralmente algo que os incomodam, mas se solicitados a escrever sobre o que verbalizaram, raramente externam suas insatisfações, através da linguagem escrita. Aqui mesmo, no seu imperdível espaço cibernético, o número de acessos é significativo, todavia vemos somente uma quantidade reduzida de comentários em relação aos acessos.
O que nos espera?!...
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Diadema-SP