Acompanhando Interface Ativa!

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Santiago, minha bela, meu amor...

Santiago, a cidade em que nasci, completa, hoje, 126 anos de emancipação político-administrativa. Para os nativos e os adotados, por encanto absoluto, é tão bela quanto hospitaleira sua gente, que envolve, conquista e condena a todos ao eterno arrebatamento. Ainda não decifrei bem qual o feitiço, mas creio ser alguma poção mágica, trazida de além-mar pelos primeiros habitantes, misturada aos sortilégios indígenas da tribo de Sepé, que seguidamente transitavam por estas bandas, acrescida de abundantes bênçãos da mãe Imaculada Conceição, que flutua, majestosa, com seu manto azul-anil a filtrar os milhares de aromas produzidos pelo amor de todas as pessoas que habitaram a cidade, ao longo dos tempos, vindas de longe ou que aqui viram a luz pela primeira vez.

Conta a lenda que nas madrugadas plenas de poeira de estrelas e sonhos, deslizam, pela Rua dos Poetas, homens e mulheres que cantam, em verso e prosa, seu amor pela cidade. Quem já os viu, jura que o seu condutor é Jaime Pinto, a recitar: "Eu te agradeço, Senhor, glória tamanha, de viver aqui no terno seio deste povo, terei sempre que agradecer de novo!... E da simpleza do meu gesto me perdoa. Mas é a voz da minha alma que ressoa, neste canto de amor em tom de prece: Obrigado, Senhor! – É Santiago que agradece."

Dizem, ainda, que a cantata noturna sempre acaba aos pés de Aureliano, ao primeiro clarão do alvorecer, quando a aurora tinge a cidade de tons dourados... Os amigos se vão para as suas dimensões etéreas, perdidos na bruma matinal que logo dará lugar ao dia...São Thiago, com o seu cajado milenar, os guia...

Santiago, minha bela, meu amor...

Imagem: Márcio Brasil

Um comentário:

Prof Ms João Paulo de Oliveira disse...

Caríssima jornalista Nívia Andres!
Apesar do atraso parebenizo os valorosos habitantes desta cativante e acolhedora cidade, que ainda não tive a prerrogativa de conhecer, pela passagem do seu natalício! Fico a divagar o modo de vida dos primeiros habitantes, que viviam sob a égide do nosso amado e inesquecível Imperador D. Pedro II! Será que quase cinco anos após a fundação, os moradores ficaram jubilosos ou desalentados com o fim da Monarquia?
Calorosas saudações paulistas!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Diadema-SP

PS - Fiquei honradíssimo com sua deferência em visitar meu humilde vagão do Expresso Oriente! Agradeço e retribuo os auspiciosos votos recebidos!