Acompanhando Interface Ativa!

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Vazou a prova do Enem. Exame está suspenso!

Inacreditável! Risível se não fosse trágico. O Ministério da Educação confirmou nesta manhã que não acontecerá no final de semana a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O motivo da suspensão seriam evidências de que o sigilo da prova que seria aplicada vazou. Há fortes indícios de que houve vazamento, 99% de chance — revelou o presidente do Inep, Reynaldo Fernandes. Agora, furto tem outro nome: vazamento!

A informação foi publicada no site do jornal O Estado de São Paulo. Um homem teria ligado para a redação pedindo R$ 500 mil em troca de cópia da prova. Após consultar o material para checar sua veracidade, sem se comprometer com sua compra, as infomações foram repassadas por telefone e e-mail para o ministro, e a fraude foi confirmada por técnicos do Inep, órgão responsável pelo Enem. O ME tem uma outra versão da prova pronta, e pretende aplicá-la em 45 dias, segundo o Estadão.

Informação do site: "...Na tarde de ontem o jornal O Estado de São Paulo foi procurado por um homem que disse, ao telefone, ter as duas provas que seriam aplicadas no sábado e no domingo. Propôs entregá-las à reportagem em troca de R$ 500 mil. - Isto aqui é muito sério, derruba o ministério - afirmou o homem. O jornal consultou o material sem se comprometer com a compra. Haddad, que diz nunca ter tido acesso ao conteúdo da prova, confirmou o vazamento ao consultar técnicos do Inep, órgão do ministério responsável pelo Enem. A comprovação da fraude se baseou em elementos repassados ao ministro pela reportagem, via telefone e e-mail. As questões originais estavam guardadas em um cofre, que foi aberto ontem à noite para confirmar a informação. O encontro no qual o Estado de São Paulo viu trechos da prova aconteceu ontem à noite, na zona oeste de São Paulo. O homem que telefonou para a redação estava acompanhado de outra pessoa. Eles disseram ter recebido o material na segunda-feira, de um funcionário do Inep. Afirmaram que o esquema de fraude tinha cinco pessoas..."

Pois bem, a que ponto chegamos na escalada da corrupção que move este país... Até no ministério da Educação, que deveria ser exemplo de lisura, impera a bandidagem, com servidores vendendo provas. Isso só vem a provar que há despreparo, falta de planejamento e de gestão, incapacidade, desídia, incompetência e incúria na escolha da equipe para gerir todas as fases da prova e, principalmente, de proteger o seu absoluto sigilo!

Aliás, já havia problemas graves com a prova do Enem, detectados e informados pela imprensa, há dias. Muitos estudantes estavam reclamando de terem sido deslocados para fazerem a prova a mais de 200Km do local aonde moram. O ministro Haddad justificou a medida, dizendo que os estudantes erraram na hora de preencher a ficha de inscrição e, de qualquer maneira, "não haveria lugar para todos prestarem o exame nas suas cidades, principalmente nas maiores." Ah, é? E as escolas em que os próprios alunos estudam, não servem? Falta de gestão, falta de planejamento, caro ministro! Pouco caso com o destino de 4.147.527 de estudantes que fariam do Enem uma ponte para a universidade, pois a prova teria o status de vestibular - procedimento proposto pelo próprio ministério da Educação e que muitas universidades aceitaram. E agora?

3 comentários:

EMENSON SILVA disse...

Não há motivos para espantos afinal estamos num Brasil, onde em todos os setores publicos "ou em quase todos" rssrsr imperam o sistema de corrupção, isto é uma é mais uma forma de zombar com os estudantes deste país, se vivessemos a anos atras os estudantes deveriam ser motivados para acampar na porta do ministerio como forma de manifestação dessas picaretagens. BRASIL BRASIL ESTE É O VERDADEIRO BRASIL. NÃO SE ESPANTEM É BRASIL

"re" disse...

Concordo que a história está muito estranha.
É só raciocinarmos: Se um funcionário corrupto consegue uma cópia da prova e pretende ganhar dinheiro com isso, então ele não pode sair dizendo para qualquer um que têm a prova, pois se o organizador da prova descobre a prova seria anulada (como está sendo) e o corrupto então não ganharia nada ao tentar vender a prova.
Logo, se o negócio depende do segredo, porquê diabos levar a mesma para um jornal e assim mostrar para quem quiser que a prova vazou, logo anulando de imediato qualquer ganho que se pudesse ter vendendo ela para os cursinhos e interessados em trapacear no concurso?
À menos é claro que o objetivo não seja ganhar dinheiro e sim causar polêmica e/ou confusão.

Em tempo:
Obrigada pela visita, já estou seguindo-a.

Un beso

Anfermam disse...

Boa tarde Nívia

Quando era estudante, bem menino fazíamos prova oral, de modo que mesmo que houvesse uma fraude ela não aconteceria no exame oral!
Bem, aumentou o numero de estudantes. E a estística, ou seja a amostragem , de grupos aleatórios de estudantes por exame oral, não resolveriam o problema dos vasamentos?
Não sou da área educacional, porém com planejamento dos exames, com as técnicas atuais de computador, senhas, etc não seria a hora de mudar a maneira de se fazer exames?
O estudante faria a prova oral no local de provas estabelecido e o professor está do outro lado, no provedor? As eleições, não foi o Brasil o primeiro a eleger eletrônicamente?
Ou seja , uma imensurável quantidade de idéias podem ser planejadas, não acham leitores?

Sds Anfermam