Acompanhando Interface Ativa!

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

A oposição piscou. Sarney deve ficar

Do blog do Noblat:

"Lembra do escândalo dos aloprados? O tal do dossiê fraudado por membros da máfia das ambulâncias e empregados da campanha à reeleição de Lula com denúncias contra os candidatos José Serra e Geraldo Alckmin, ambos do PSDB?

Lembra da CPI do Cartão Corporativo e do dossiê Negritomontado na Casa Civil da presidência da República sobre despesas sigilosas do governo Fernando Henrique Cardoso?

Do Caso Renan Calheiros (PMDB-AL) você lembra. Sim, aquela história do dinheiro entregue por um lobista de empreiteira à jornalista, ex-amante e mãe de um filho do senador.

Como deve lembrar da descoberta recente sobre o curriculum da ministra Dilma Rousseff, da Casa Civil, onde constava curso que ela não concluiu.

Tais episódios ficaram por isso mesmo. O que envolveu Renan resultou na absolvição duas vezes dele pela maiores dos seus pares.

Prepare-se para testemunhar mais um que chegará ao fim sem que ninguém seja punido.

Sim, falo de tudo que foi apurado contra o senador José Sarney (PMDB-AP) - do empreguismo de parentes e afilhados políticos ao desvio de verbas oficiais dadas em patrocínio para a fundação batizada com o nome dele e presidida por ele.

Em discurso elogiado pelos colegas como "uma Negritodefesa técnica e sem emoção", Sarney disse em resumo o seguinte: se tenho culpa, quem aqui não tem?

Citou, por exemplo, o número de atos secretos produzidos nas duas gestões anteriores dele como presidente do Senado. E comparou-o com o número de atos secretos produzidos nas gestões dos seus sucessores.

De lá para cá, o PMDB pediu a cassação do mandato de Arthur Virgílio (AM), líder do PSDB no Senado, que pagou o salário de um assessor liberado para estudar cinema durante dois anos em Barcelona.

E soube-se que o senador Sérgio Guerra (PE), presidente do PSDB, foi cuidar da saúde no exterior e levou uma das filhas com passagem paga pelo Senado.

O argumento do "se tenho culpa, quem aqui não tem?", assustou boa parte da oposição. O susto cresceu depois que Virgílio foi encostado na parede.

Ser réu confesso, como ele faz questão de repetir, não torna ninguém menos réu. Confessar um erro não revoga o erro cometido. Oferecer-se para reparar o erro pode, no máximo, atenuar uma eventual pena.

Sarney atou seu destino ao da aliança do PMDB com o PT para eleger Dilma. Ameaçou pedir licença do cargo para que ele fosse ocupado por um vice da oposição. O governo entrou em pânico.

Estamos outra vez nos estertores de mais um caso que provocou muito barulho para afinal se desmanchar no ar como tudo que parece sólido.

A prometida reforma do Senado se limitará a uma maquiagem mal feita. Medidas antes anunciadas estão sendo esquecidas sem alarde.

O que era sujo permanecerá sujo.

Revoguem-se as disposições em contrário."

Agora comento eu. O que era sujo permanecerá sujo só se a sociedade brasileira quiser. Podemos revogar todas as disposições em contrário através do VOTO. Agora que a sujeira está exposta, mais sujos seremos nós, povo, se continuarmos a contribuir para aumentar os detritos...

2 comentários:

Prof Ms João Paulo de Oliveira disse...

Prezada jornalista Nivia Andres:
Suas ponderações finais estão irretocáveis, mas o problema é que o poderio destes políticos sacripantas é de tal monta, que acabam retornando de maneira triunfal ao poder. Não me conformo com o retorno do cidadão Fernando Collor de Melo ao poder, com o voto dos patrícios do estado de origem dele. Aqui no meu amado estado de São Paulo, o nefasto Paulo Salim Malulf, para o meu desgosto, ainda tem seus asseclas.
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Diadema-SP

Laguardia disse...

Depende de nós renovarmos o congresso nacional e o governo federal.

Devemos usar de todos os meios disponíveis para conscientizar o eleitor para a necessidade de renovação total de nossos políticos.

Precisamos eleger homesn que valorizem os princípios de ética, honestidade e moral.