Acompanhando Interface Ativa!

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Presidente Lula na Turquia

Jamil Chade, do Jornal O Estado de São Paulo, on line:

"No Brasil, tem uma coisa interessante que vocês precisam conhecer", disse Lula em um seminário com empresários locais. "Apareceu alguém vendendo algo na porta de um brasileiro, ele sabe que é um turco que está vendendo", afirmou, sem qualquer reação da plateia.

O presidente tentou explicar. "Qualquer vendedor que for vender um produto na casa das pessoas, prontamente ele é chamado de turco. Eu não sei se é o turco nascido em Istambul ou no tempo do Império Otomano, nascido na Arábia Saudita ou no Líbano", esclareceu. "É preciso fazer jus a essa especialidade de comercializar do povo turco para que possamos estreitar as relações comerciais entre o Brasil e a Turquia", concluiu. A platéia não riu.

Os turcos não são árabes e nem falam a mesma língua. A presença de turcos na imigração no Brasil é insignificante e as populações vindas do Líbano e Síria apenas ganharam esse nome diante do fato de chegarem com passaportes do Império Otomano.

Lula ainda fez alguns empresários levantarem a sobrancelha ao anunciar que o Brasil tinha "17 milhões de quilômetros de fronteira terrestre". A título de ilustração, sublinho eu que o Brasil tem 15.719Km de fronteira terrestre.

Observação de Reinaldo Azevedo, em seu blog: "Já comentei aqui outras vezes que Lula aprende pelo método indígena: com as orelhas. É notavelmente inteligente, mas espantosamente ignorante. E olhe que não lhe faltou tempo para aprender. Mas tem uma indisposição com a leitura conhecida e reconhecida. Ele deve pensar: “Para quê? Esse gente toda leu bastante é agora é minha subordinada”. É, faz sentido... É por isso que, suponho, Celso Amorim também tenha parado de ler."

Um comentário:

deniz disse...

Eu sou um empresario Turco que atendeu ao esse evento historico do presidente Lula.
Acho que foi um discurso muito impressionante. Brasil e Turquia tem muito potencial pra compartir mas os dois paises nao se conhecem muito.