Acompanhando Interface Ativa!

sábado, 4 de abril de 2009

Cabral e o muro ou a felicidade de não ver

A que ponto chegou a arrogância do homem, principalmente daquele que detém poder! Pois o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral Filho, deseja construir muros para cercar as favelas cariocas. Uma proposta estúpida, gestada na cabeça de um boçal, quero crer. Sua Excelência, o governador, não vê outra alternativa para resolver a situação de miséria dessas comunidades e precisa escondê-las, para que a paisagem da Cidade Maravilhosa não fique tão maculada...

Demonstrando sua perplexidade ante a esse propósito infeliz, o jornalista Josias de Souza, sarcasticamente, propõe que a ideia do governador Cabral seja estendida a todo o Brasil e comenta: "Havia a alternativa de distribuir centenas de milhares de viseiras e antolhos. Mas, com os muros, a felicidade de não ver parece mais concreta. É o fim da era dos gastos dispersivos em programas sociais inúteis. No lugar da saúde e do saneamento básico, quilômetros de muros. Lula deveria converter o programa do Rio em experiência nacional. Um grande “Cerca Brasil” seria mais vantajoso que o plano do milhão de casas. Amuralhadas, as comunidades pobres pareceriam condomínios fechados. Com duas vantagens: o projeto é mais simples e a execução menos onerosa. Afora os muros, meia dúzia de portões em cada um deles. O bastante para deixar passar a mão-de-obra barata. O pessoal que serve mesas grã-finas e limpa privadas de lares bem-postos. No mais, bastaria acrescentar no orçamento o dinheiro da tinta cor-de-rosa. Na verdade, a ideia de ignorar a realidade é antiga. A diferença é que, com a novidade do muro, ninguém precisa mais virar a cara."

Deve ser terrível para um gestor público descobrir que não tem mais nenhuma perspectiva a não ser a se esconder o que salta aos olhos...

Um comentário:

Froilam de Oliveira disse...

Nívia
até parece que já vivemos naqueles cenários futuristas (de filmes) em que o medo e a violência humanos chegam às raias da loucura. Morei dois anos no Rio (somando o tempo dos cursos que fiz por lá), pude vislumbrar essa situação terrível enfrentada pela cidade (que foi um dia) maravilhosa. Uma pena para os cariocas, um povo agradável, amigo... O muro, não quero pensar nesta hipóteses pessimista, talvez seja o futuro. Aliás, o muro já existe em torno de nossos condomínios, de nossas casas,de nossos corações...
Abç
Froilam