Acompanhando Interface Ativa!

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Rua dos Poetas

Interessante abordagem fez Márcio Brasil, ontem, em seu blog, a respeito da conservação da Rua dos Poetas. Concordo inteiramente com as suas observações. O piso está afundando em várias partes do pavimento, em decorrência do peso imposto por caminhões que ali trafegam. Ora, nessa rua devia ser absolutamente proibido o tráfego de veículos pesados. É necessário que o Executivo tome medidas urgentes no sentido de impedir que caminhões circulem na rua. E que recomponha o pavimento danificado.

Mas não é somente esse o problema. Já notaram que, na primeira quadra, o passeio, na altura da Farmácia Fronteira, está extremamente liso? O mesmo acontece do outro lado da rua, até a Farmácia São Leandro. Parece que o revestimento utilizado não oferece a aderência necessária e pode provocar acidentes por queda dos transeuntes. Quem usa tênis ou calçado com sola de borracha não percebe o quanto está escorregadio o passeio. Agora, solados de couro e, principalmente, sapatos de salto alto, são um perigo! Já escorreguei várias vezes, felizmente sem consequências. Escusado dizer que diariamente passam por ali centenas de pessoas, entre elas idosos e crianças...

A Rua dos Poetas é um cartão postal de Santiago e como tal, precisa ser conservada. Outra situação lamentável, que já toma proporções alarmantes e depõe contra a beleza (e a limpeza) do local são as manchas (negras!) de chiclete nas calçadas, que já somam milhares. Em frente ao Clube União é um desastre! Os proprietários dos imóveis situados ao longo da rua, tanto os residenciais como os comerciais, deveriam, também, zelar para que as calçadas não fiquem tão imundas. Remover o chiclete não é difícil. Basta utilizar uma espátula, raspar e retirar os resíduos. O problema é que são muitos. São as múltiplas marcas da ignorância, da falta de consciência, da incapacidade coletiva de preservar o que é de uso compartilhado por todos.

Sugiro que os cidadãos que amam Santiago se mobilizem para preservar o patrimônio público, encontrando soluções exequíveis para esse problema e tantos outros que afetam a nossa qualidade de vida. A prefeitura poderia destacar zeladores para o logradouro e lançar campanha massiva de conscientização. Cada um pode fazer a sua parte. É só querer. Mãos à obra!

Um comentário:

Márcio Brasil disse...

Oi, Nívia. Obrigado por ampliar a discussão a respeito desse assunto tão importante de ser debatido. A Rua dos Poetas é, agora, um patrimônio de todos e que deve ser vigiado por toda a comunidade.

Um fraterno abraço e estou no aguardo dos próximos livros da coleção Santiago do Boqueirão, seus Poetas quem São? que serão acertadamente dedicados a ti e a mestra Therezinha Lucas Tusi. Bjs!!!