Acompanhando Interface Ativa!

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Direito de Resposta sui generis

Situação bastante curiosa aconteceu hoje. Ao acessar o blog do Jornalista Prates, como costumo fazer diariamente, me deparei com um exercício do direito de resposta sui generis, concedido por Júlio Prates ao Gabinete do Prefeito de Santiago, para explicar conduta da fiscalização municipal face à autuação de empresa santiaguense em débito com a receita municipal.

Até aqui, nada demais. Porém, a estranheza nasceu, justamente, porque não foi o Jornalista Prates que abordou o assunto e denunciou a possível ameaça contra o empresário. O responsável pela publicação do assunto foi o ex-prefeito Vulmar Leite, em seu blog, no dia 29 de outubro. Prates apenas comentou o assunto.

Até onde eu sei, a pessoa, entidade ou instituição que se sentir atingida por informação, notícia ou congênere, publicada por qualquer meio de comunicação, pode recorrer ao pedido de direito de resposta, primeiramente ao próprio emissor, ou, perante sua negativa, recorrer à Justiça.

Aí reside o inusitado. Por que o Gabinete do Prefeito utilizou o blog do Jornalista Prates para explicar a sua versão dos fatos e não solicitou o direito de reposta diretamente a Vulmar Leite? O ex-prefeito, certamente, concederia o espaço necessário para a esclarecer os fatos. Inclusive, enviou mensagem pública, em seu blog, para o prefeito José Francisco Gorski, colocando o espaço do blog à sua disposição.

Como a nota informativa do Gabinete do Prefeito publicada pelo Jornalista Prates não estava assinada, presumo que o Júlio Prates esteja exercendo, atualmente, a atividade de Assessoria de Comunicação da Prefeitura. Acho que é a dedução mais correta. Se não, está inaugurada uma nova forma de concessão do direito de resposta, por meio de terceiros ou atravessadores!

A internet é um belíssimo meio de comunicação que se revela cada vez mais criativo e singular nas múltiplas maneiras encontradas para disseminar informações. Quaisquer que sejam elas.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Amor e ódio

A respeito do episódio acontecido em Santo André, SP, há poucos dias, que culminou com a morte da adolescente Eloá Pimentel e de tantos outros que ocorrem cotidianamente, em circunstâncias semelhantes, excelente artigo da psicanalista Diana Corso* foi publicado ontem, 29, em Zero Hora e serve para revelar os porquês de tanta violência.

Amores brutos

"Quem ama não mata". Essa era a frase das feministas décadas atrás, protestando contra a matança de mulheres pelos seus homens. A afirmação é convincente, mas será que se trata de amor nesses casos?

O Brasil inteiro assistiu a jovem Eloá, 15 anos, ser seqüestrada e assassinada pelo seu ex-namorado Lindemberg, 22 anos. Sobre as trapalhadas policiais que redundaram no desastre só teria a opinar que a atuação sistemática de algum psi (psiquiatra, psicólogo, psicanalista) nas negociações teria melhores chances do que o telefonema da Ana Maria Braga.

O amor não é desinteressado, só dizemos "eu te amo" para ouvir, no mínimo, "eu também". Amamos para ser amados, mas as relações amorosas possibilitam também a construção e o reconhecimento da identidade sexual: só serei homem ou mulher de verdade se houver alguém que me deseje, que satisfaça seus anseios em mim e comigo.

Na lógica masculina mais corrente, uma mulher que está satisfeita na relação confirma a virilidade do parceiro. Se ela o deixa, é como se lhe negasse a potência, se o substitui, é como se ele perdesse a disputa, comparado ao novo amor. Por isso os homens podem ficar bem violentos nos fins dos relacionamentos ou em uma simples cenas de ciúme: está em jogo sua identidade. Para certos homens, fraquejar em sua potência não é um tropeço, pode ter vivido como uma ameaça de destruição. Por isso, muitas vezes, aquele que foi traído mata a mulher, eliminando aquela que deveria mantê-lo homem, mas fez o contrário. O fato de sua mulher gozar com outro seria, para esses machos, o mesmo que feminilizá-los, submetendo-os ao domínio do novo escolhido.

A atitude de Lindemberg baseia-se nessa lógica. Ele promoveu uma encenação patológica, acompanhada pela audiência em tempo real, daquilo que deveria manter-se apenas na fantasia. Ele matou Eloá pelas razões acima: ela não devia seguir vivendo sem amá-lo e jamais deveria entregar seu coração para outro homem. Óbvio que uma menina de 15 anos sequer suspeita que sua vida amorosa possa tomar esse rumo. Quanto a nós, que vimos o rapaz demarcar seu território viril como um bicho furioso e acuado, podemos tentar compreender, sem jamais perdoar, a fonte dessa loucura.

Além de perguntar-se sobre a segurança, o papel do Estado, da polícia, da mídia, da família, vale, no mínimo, questionar-nos por que, para certos homens, sua identidade é algo que pode se decidir na ponta do cano do revólver. Esse nunca nega fogo, não brocha e, infelizmente, não há dúvida: Eloá nunca pertencerá a outro homem."

*Diana Corso é psicanalista e escreve quinzenalmente em ZH

Não pude resistir!

O Amarildo é o máximo!

Obama abre sete pontos de vantagem sobre McCain na pesquisa diária

A população norte-americana vai às urnas no próximo dia 4 de novembro para escolher o sucessor de George W. Bush na Presidência dos Estados Unidos. Os senadores Barack Obama e John McCain disputam o cargo pelos dois principais partidos do país, o Democrata e o Republicano.

Barack Obama abriu sete pontos de vantagem sobre o republicano John McCain a cinco dias da eleição presidencial norte-americana, segundo pesquisa Reuters/C-SPAN/Zogby divulgada nesta quinta-feira (30).
Obama tem 50% da preferência dos prováveis eleitores, contra 43% de McCain, aumentando a vantagem de cinco pontos que tinha na véspera. A pesquisa ouviu 1.202 pessoas por telefone entre segunda e quarta-feira e tem margem de erro de 2,9 pontos percentuais. É o segundo dia seguido que a vantagem de Obama sobre McCain aumenta, e o republicano tem sofrido para tentar recuperar a vantagem do democrata, que fica clara em todas as pesquisas nacionais e feitas em estados-chave na disputa eleitoral norte-americana.

A eleição nos EUA é decidida não com base no total de votos diretos, mas pelo Colégio Eleitoral. Apesar disso, as pesquisas nacionais, como a Reuters-Zogby, costumam antecipar a tendência do resultado do colégio eleitoral, segundo analistas.
Fonte: Agência Reuters

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Agenda de George Bush para janeiro de 2009


O Portal de Notícias da Globo, o G1, recebeu uma bem-humorada e criativa agenda do quase ex-presidente George Bush para o mês de janeiro de 2009!

O blogueiro HolyJuan (que se identificou ao G1 apenas como Doug) publicou, em seu blog holyjuan.com, a versão do que George W. Bush anotaria em seu calendário, em janeiro de 2009, mês em que deixará a presidência dos EUA.

No dia 17 de janeiro está anotado: 'Começar a preparar as malas'. E no dia 22, 'começar a escrever memórias'. No último dia do mês, a anotação é 'Passar um trote em Obama'. 'Estou aborrecido'

E, em meio a outras garatujas, uma última anotação, fora do calendário: '!!Recordar: Não apertar o botão vermelho!!! Chamar o papai primeiro!'

Fonte: G1

Living Planet Report adverte que humanos já usam 1,3 do planeta

A humanidade produziu uma bolha de crédito ambiental que já é 30% maior que a capacidade do planeta de fornecer bens e serviços à civilização, de forma sustentável. A denúncia é do Living Planet Report, relatório bianual que mede a chamada "pegada ecológica" da humanidade.

Na natureza, assim como nas finanças, esse tipo de empréstimo sem fundos ou salvaguardas termina em colapso. Sinais detectados são as constantes crises do clima e da biodiversidade, afirmam a ONG WWF e a Sociedade Zoológica de Londres, autoras do relatório.

Preconiza o documento, hoje cada ser humano precisa para viver de 2,7 hectares de área biologicamente produtiva da Terra, incluindo a área agrícola e de florestas necessária para produzir comida, fibras e madeira; os oceanos e rios que fornecem pescado; e a porção de biosfera que absorve os resíduos como o gás carbônico e fornece espaço para cidades e infra-estrutura. Esse total é a pegada ecológica de cada pessoa. A pegada dos brasileiros já é de 2,4 hectares.

Acontece que a área biologicamente produtiva da Terra é de apenas 2,1 hectares por pessoa. A diferença fica por conta do débito ambiental.
Cabe uma pergunta: Com essa terrível crise econômica mundial (marolinha para alguns), como vamos conseguir financiamento para pagar a conta?
Fonte: Blog do Noblat

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Câmara Federal lança projeto Acompanhe seu deputado

A Câmara dos Deputados lançou, nesta terça-feira, (28), um serviço que permite acompanhar a atuação dos parlamentares por e-mail, através de boletins que trazem informações sobre a sua atuação.

Chamado de “Acompanhe seu deputado”, o projeto possibilita que qualquer pessoa receba informações sobre como determinado parlamentar votou um projeto, discursos que fez, projetos apresentados, se trocou de partido e notícias dos veículos de imprensa da Casa. Um dos objetivos do serviço é facilitar o acompanhamento da atuação do parlamentar.


As informações enviadas pelo boletim já são disponibilizadas no site da Casa. “A pessoa teria que acessar constantemente o site para verificar se tem um discurso novo, um projeto de lei novo apresentado pelo deputado. Dessa forma, a pessoa acessa o site, seleciona o deputado ou deputados em quem que tem interesse e passa a receber um boletim com as formas de atuação do parlamentar”, explica o diretor do Centro de Informática da Câmara, Fernando Torres.

Para se cadastrar, é preciso acessar o site da Câmara www.camara.gov.br e clicar em “Deputados” ou “Transparência”. No cadastro, é possível selecionar um ou mais deputados e as informações que a pessoa deseja receber. O boletim será enviado a cada 15 dias. O deputado que quiser poderá ter acrescentado, ao fim do boletim, um link para sua página institucional ou pessoal.

A Câmara já possui um serviço de acompanhamento de projetos de lei. A tramitação é enviada por e-mail para os usuários cadastrados. O serviço, disponível desde 2001, tem cerca de 100 mil usuários. Para o próximo ano, a idéia é oportunizar o acompanhamento da execução do Orçamento da União por e-mail.

A proposta é interessante porque possibilita acesso direto do eleitor à produção e à performance do seu deputado, desde que todos os dados sejam disponibilizados. Cabe ao usuário do serviço interessar-se pela produtividade do parlamentar e monitorá-lo constantemente, afinal o voto é uma delegação do eleitor para que o deputado o represente e trabalhe na defesa de seus interesses. Justamente pela frouxidão ou inexistência de ação fiscalizatória da sociedade é que acontecem os constantes desmandos e escândalos de corrupção. Para que esse serviço atinja seus objetivos não basta receber material, é preciso avaliar a qualidade da atuação parlamentar, criticar e exigir retorno. Será que funciona?

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Analistas explicam elevada abstenção no segundo turno das eleições municipais

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou que o número de abstenções nesse domingo chegou a 18,11% do eleitorado - índice considerado alto pelo próprio Tribunal. No primeiro turno, a taxa de abstenção havia sido de 14,54%. O presidente do TSE, Carlos Ayres Britto, disse que o órgão vai analisar as causas do aumento das abstenções entre as duas rodadas do pleito.

Analistas políticos concordam que o percentual de brasileiros que deixou de votar é expressivo. Têm opiniões distintas no que diz respeito às causas da ausência nas cabines eleitorais.O cientista político David Fleischer, da UnB (Universidade de Brasília), atribui a alta à publicação de sondagens eleitorais. "As pesquisas 'já ganhou' às vezes desanimam as pessoas", diz. "Muita gente desanima de votar porque, ao ver o resultado do levantamento, acha que o Kassab já ganhou da Marta Suplicy, por exemplo".

Maria do Socorro Braga, docente da USP (Universidade de São Paulo), por sua vez, acredita que a população se abstém por não simpatizar com nenhuma das candidaturas. "Os eleitores não estão satisfeitos com nenhuma das alternativas disponíveis no segundo turno", explica.

O Maranhão foi o Estado com o maior índice de abstenção em todo o país, com 21,27%. O Rio de Janeiro ocupou o segundo lugar, com 20,02% do eleitorado deixando de votar.

Entre as capitais, Manaus registrou o menor percentual, com 15,67%, seguido por Macapá (16,68%), São Paulo (17,54%), Belo Horizonte (17,78%), Porto Alegre (17,78%), Florianópolis (17,85%), Cuiabá (18,93%), Belém (19,65%) e Salvador (19,73%).

"Em cidades onde há disputas muito acirradas é de se esperar que a abstenção seja menor que no primeiro turno. Mas não foi isso o que aconteceu", observa Fleischer, da UnB. "Seria um exercício interessante imaginar que a abstenção fosse menor (se houvesse maior polarização entre os candidatos)".

Para Maria do Socorro, o aumento no número de abstenções também é reflexo da falta de renovação na política brasileira. "Nesses dois Estados (Rio de Janeiro e Maranhão), por exemplo, normalmente são famílias que acabam controlando a política durante muito tempo. E a população sabe disso", explica. "No Brasil há uma dificuldade em se renovar os quadros políticos e forjar lideranças nacionais."

Índices elevados de abstenção podem decorrer de diversos fatores que impedem o eleitor de votar, inclusive de fatores climáticos, mas creio que o principal motivo é a apatia, o desinteresse, a falta de consciência cívica e, ainda, o desencanto com a política e os políticos. Também concorre para aumentar os números da abstenção a irrisória multa a ser paga à Justiça Eleitoral para a regularização da situação. Tem gente que acha bem mais fácil pagar multa do que votar...

O novo panorama político do Brasil

Em números absolutos, PT e PMDB foram os partidos que mais elegeram prefeitos em capitais nas eleições municipais de 2008. O PT venceu em Rio Branco, Porto Velho, Palmas, Recife, Fortaleza e Vitória. Já o PMDB conquistou as prefeituras de Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador, Goiânia, Campo Grande e Florianópolis.

Apesar de expressivo, o resultado representa um retrocesso para o PT. O número de capitais governadas pela sigla caiu de nove, em 2004, para seis, em 2008. O partido experimentou ainda derrotas em segundo turno em capitais importantes como São Paulo, Porto Alegre e Salvador.

Mas o PMDB sai fortalecido. O número de capitais controladas pelo partido passou de dois, em 2004, para seis, em 2008, entre elas o Rio de Janeiro, com Eduardo Paes, Porto Alegre, com José Fogaça, e Salvador, com João Henrique. O PSDB conquistou quatro capitais, enquanto o PSB ficou com três. Os tucanos venceram em Curitiba, Teresina, São Luís e Cuiabá. Já o PSB ganhou em João Pessoa, Belo Horizonte e Boa Vista. O PTB conquistou duas prefeituras, Manaus e Belém, enquanto PC do B (Aracaju), DEM (São Paulo), PP (Maceió), PV (Natal) e PDT (Macapá) ficaram com uma capital cada um.

Os novos prefeitos eleitos nas capitais brasileiras: (os candidatos eleitos em 2° turno aparecem grafados na cor verde)

São Paulo (SP) - Gilberto Kassab (DEM)
Vitória (ES) - João Coser (PT)
Belo Horizonte (MG) - Marcio Lacerda (PSB)
Rio de Janeiro (RJ) - Eduardo Paes (PMDB)
Curitiba (PR)- Beto Richa (PSDB)
Porto Alegre (RS) - José Fogaça (PMDB)
Florianópolis (SC) - Dário Berger (PMDB)
Recife (PE) - João da Costa (PT)
Fortaleza (CE) - Luizianne Lins (PT)
Natal (RN) - Micarla de Sousa (PV)
Maceió (AL) - Cícero Almeida (PP)
Aracaju (SE) - Edvaldo Nogueira (PC do B)
Teresina (PI) - Silvio Mendes (PSDB)
São Luís (MA) - João Castelo (PSDB)
João Pessoa (PB)- Ricardo Coutinho (PSB)
Salvador (BA) - João Henrique (PMDB)
Goiânia (GO) - Iris Rezende (PMDB)
Cuiabá (MT) - Wilson Santos (PSDB)
Campo Grande (MS) - Nelsinho Trad (PMDB)
Macapá (AP) - Roberto Góes (PDT)
Rio Branco (AC) - Raimundo Angelim (PT)
Porto Velho (RO) - Roberto Sobrinho (PT)
Manaus (AM) - Amazonino Mendes (PTB)
Boa Vista (RR) - Iradilson Sampaio (PSB)
Belém (PA) - Duciomar Costa (PTB)
Palmas (TO) - Raul Filho (PT)

sábado, 25 de outubro de 2008

A fraude nas mesas, das 15h às 17h, e as providências dos partidos

Relevante. Do Ex-Blog do Cesar Maia, relativo às eleições no Rio de Janeiro (mas vale para todo o Brasil):

"1. Este Ex-Blog já informou que nas regiões menos expostas da cidade, sessões eleitorais onde os mesários são colocados por políticos, vale tudo depois das 15h. Nesses locais, mesários começam a votar pelos ausentes. Um assina, outro abre a urna eletrônica e outro vota. A assinatura é feita no meio da linha. Se chega o eleitor, ele assina na sua linha, meio apertado com a assinatura de cima e é aberta a urna de outro nome e assim se fecha.

2. Mas os partidos, provavelmente o DEM e o PSDB, pedirão ao TRE que nos dias posteriores faça o cruzamento dos que "justificaram o voto nos Correios”, com os que votaram. Se alguém justificou a ausência e apareceu seu nome tendo votado, a urna inteira terá que ser anulada.

3. Aliás, essa deveria passar a ser uma prática em todas as eleições no Brasil inteiro: um programa iria cruzando os que justificam o voto com os que votaram, para identificar fraudes. Lembre-se que na eleição anterior no Rio, 6% justificaram a ausência, ou uns 250 mil eleitores.

4. Os "brancos e nulos" transferidos pela "Proconsult" agora são os "ausentes" que são transferidos. Todo cuidado é pouco! E não custa nada colocar fiscais em todas as sessões. Não custa nada prevenir."

Muito pertinente. Acredito que essa prática pode ter acontecido em larga escala, em muitas cidades brasileiras. Afinal, o Brasil é o país das fraudes, da fiscalização frouxa e da justiça morosa.

Comenta, ainda, o prefeito Cesar Maia, em seu Ex-Blog: "De acordo com o TRE-RJ, há outra maneira de se identificar tal fraude: o cruzamento do número de comparecimento da seção eleitoral com o de justificativas eleitorais daquela mesma seção. Para que um eleitor vote, é preciso que o presidente de seção lance no sistema o número do título de eleitor. Sendo assim, quando o eleitor que está fora da cidade justifica a ausência, o número de seu título é registrado no sistema. A duplicidade de registro (como voto e justificativa) seria imediatamente identificada."

Bolsa vai, bolsa vem...

Do talento do Amarildo

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

A parábola dos sete sapatos sujos

No dia 7 de março de 2007, o escritor, médico e biólogo moçambicano Mia Couto fez uma palestra na abertura do ano letivo do Instituto Superior de Ciência e Tecnologia de Maputo. Excertos dessa “oração de sapiência” foram publicados no Courrier Internacional sob o título “Os sete sapatos sujos”. Escreveu Mia Couto: “...não podemos entrar na modernidade com o atual fardo de preconceitos. À porta da modernidade precisamos nos descalçar. Contei 7 sapatos sujos que necessitamos deixar na soleira da porta dos tempos novos. Haverá muitos. Mas eu tinha que escolher e 7 é um número mágico: 1°) A idéia de que os culpados são sempre os outros; 2°) A idéia de que o sucesso não nasce do trabalho; 3°) O preconceito de que quem critica é um inimigo; 4°) A idéia de que mudar as palavras muda a realidade; 5°) A vergonha de ser pobre e o culto das aparências; 6°) A passividade perante a injustiça; 7°) A idéia de que, para sermos modernos, temos que imitar os outros.

Mia Couto vive em Moçambique, ex-colônia de Portugal, situada na costa oriental da África Austral que possui 19 milhões de habitantes. Seu PIB per capita é de US$ 250. País pobre, povo miserável, fragilizado por inúmeras revoluções.

Os sete sapatos sujos que Mia Couto recomenda sejam deixados na soleira da porta dos tempos novos servem perfeitamente para nós, brasileiros, que vivemos enrolados em preconceitos e injustiças, frutos da mediocridade e da indigência intelectual que campeia nas viciadas estruturas do poder político dominante. Nossos representantes, na verdade, nem querem saber de novos tempos, preocupam-se, apenas, com a retórica oficial que lhes permite amealhar os frutos que o poder proporciona a si e aos seus, adeptos do quanto mais, melhor. O povo que se lixe.

Os sete sapatos sujos com a lama do obscurantismo e da opressão devem, sim, ser deixados na soleira da porta dos novos tempos, mas será que basta deixarmos só sete? Para erradicarmos tudo o que nos impede de crescer precisamos, todos, entrar descalços, inclusive, sem meias, na porta da modernidade, para que não vinguem artifícios criados por decreto provocando um escorregadio retrocesso.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

No Dia do Professor...

Hoje é o Dia do Professor. Um grande dia, como deveriam ser todos os dias - homenagens constantes àqueles mestres que nos deram o lume inicial para a carreira da vida. Hoje, lendo a ZH, encontrei uma bela homenagem da psicanalista Diana Corso à sua professorinha Simone que a preparou para gostar de escrever e enfrentar a pressão atual de entregar sua produção textual na hora determinada. Quem escreve sabe como é difícil produzir com horário para entregar o texto... E o resultado tem que ser bom, fantástico, maravilhoso, senão ficamos auto-decepcionados!
Já escrevi muitos textos em homenagem aos professores, lembrando meus mestres, muito queridos e de excelentes lembranças - Irmã Antônia, que me alfabetizou; Ayda Bochi Brum, que me preparou para o exame de admissão ao ginásio; Noemy Zamperetti e Maria Izone Oliveira, mestras na arte da Geografia e da História; Edwino Degen (Medianeira), Edgar Klöckner e Amanda Scherer (UFSM), meus professores de Francês; Lígia Militz da Costa, Maria Luiza Ritzel Remédios e Leila Agne Ritzel, minhas professoras de Literatura no curso de Letras...
Bem, vamos ao texto que enseja essa pequena homenagem:

Professora Simone
"O nome dela era Simone, professora de Português. Ela não me tinha em grande conta, eu a achava poderosa. Entre nós houve apenas um momento marcante: certa ocasião, envergonhada de ser tão sonsa, fingi que havia colado. Fingi para mim mesma, já que o nervosismo da pretensão de transgredir me enevoava a visão e, de fato, não consegui enxergar nada na prova da colega. Se o feito não tinha sido grande coisa, pelo menos tentei fazer valer a intenção, contando vantagem entre meus colegas na saída da prova. Não é preciso dizer que a professora ouviu e tomou as medidas que lhe cabiam. Início e fim de minha incipiente carreira criminal. Conto isso para que não se julgue que se tratava de relação de mútuo afeto ou camaradagem que recubra ou mascare o caráter simplesmente pedagógico do que se segue.
Durante aquele ano do primeiro grau do Grupo Escolar Daltro Filho, a professora Simone determinou que escrevêssemos uma composição (era assim que denominávamos as redações) por dia, logo, sete por semana. A cada segunda-feira, reunidos em pequenos grupos, escolhíamos as menos piores para serem lidas para o resto da classe. Obviamente, eu escrevia as sete no domingo à noite. Fora a vergonha de falar em público, o que lembro mesmo é da labuta de inventar assuntos variados e transformá-los em pequenos textos, misturada à tristeza de domingo. A música do Fantástico anunciava o fim dos tempos e eu ainda tinha que ter sete boas idéias. Nunca duvidei nem duvidarei que a pressão ativa a criatividade. Enfrento aqui, há sete anos, o dilema da pauta em aberto com menos medo, graças àquela experiência. Ainda escrevo aos domingos.
Simone não era a Professora Maluquinha alfabetizadora sensível do livro de Ziraldo, nem eu era uma aluna bacana de quem ela fosse lembrar. Inesquecível foi o desafio que ela orquestrou em nós. Vivências escolares definem destinos, professores tatuam com suas idéias, atitudes, propostas, atividades. São os pais que precisam prover a formação moral, as bases emocionais, mas são os professores os primeiros guias de viagem. É na escola que vamos lapidar a pedra bruta que trazemos de casa.
Em nosso país, entra e sai governo e o Ensino Fundamental jamais é considerado tal, que dirá os que se seguem. Nas escolas públicas, os professores lutam contra todo tipo de miséria, inclusive a do seu salário; nas privadas, contra a tirania dos clientes. Quadro triste, mas não irremediável. Pelo menos, hoje, Dia do Professor, gostaria de fazer algo que nunca tive oportunidade: agradecer à professora Simone."
Flores, flores, flores, para todos os bons professores...

2ª ExpoSantiago inicia hoje

Inicia hoje a maior multifeira da região - a 2ª ExpoSantiago, no espaço do Complexo Poliesportivo Aureliano de Figueiredo Pinto - uma realização do Centro Empresarial de Santiago e do Sindicato Rural de Santiago, Unistalda e Capão do Cipó.

PROGRAMAÇÃO OFICIAL
15 Outubro 2008 – Quarta-feira

8h às 18h – Entrada de bovinos e eqüinos a galpão, ovinos a galpão, ovinos rústicos tatuados e pequenos animais
19h – Abertura oficial da Feira – Palco principal
20h – Show com Júlio Saldanha – Praça de Alimentação
21h – Festival da Música Crioula de Santiago – Praça de Alimentação
22h – Show com Nenito Sarturi – Restaurante Setor Agropecuário
22h – Encerramento (fechamento dos estandes)

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Mais uma crise se abate sobre a economia de Santiago. E agora?

Ontem à tarde, no Sindicato Rural, o presidente Cooperativa Regional Tritícola Santiaguense Ltda., Leandro Cardoso Ferreira, apresentou os números da crise financeira que enfrenta a instituição cooperativa e expôs plano de saneamento financeiro elaborado pela atual direção.
Na oportunidade, o presidente solicitou o apoio das lideranças políticas, econômicas e sociais da comunidade regional, presentes ao evento, para a proposta de recuperação que será apreciada pelos associados em assembléia geral, já convocada para hoje.
A direção vai promover reuniões simultâneas com núcleos de associados residentes nos municípios Unistalda, Capão do Cipó, Nova Esperança do Sul e Santiago que integram a sua área de atuação, para deliberarem sobre o futuro da Cooperativa.
Lamentável que mais um empreendimento importante para a economia de Santiago, já tão desestruturada, esteja a perigo, após décadas de má-gestão e sangria. Os verdadeiros donos da Cooperativa Tritícola, os pequenos empreendedores rurais, são os que mais vão sofrer, seja qual for o destino da entidade.
Fala-se, também, na demissão de 120 funcionários!

Novo Blog na rede

Vulmar Leite acaba de tornar público o seu blog. Acesse, acompanhe e interaja! Vale a pena conferir as idéias, os comentários e as informações de um dos homens públicos mais digno, íntegro e dedicado às causas da comunidade que já conheci e prezo a convivência!

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Retornando...

Olá, amigos! Após três meses de pouquíssimas postagens no blog, procedimento necessário para preservar a integridade do trabalho que realizei para um projeto político-eleitoral, retorno. Não houve êxito em nossa proposta, já que a comunidade preferiu outro candidato, fato normal e absorvido, pois a vontade do povo é soberana. Porém o trabalho foi fantástico.
É maravilhoso contribuir para uma proposta em que se acredita, mostrada de forma clara, transparente, sem subterfúgios ou qualquer artifício utilizado para enganar a população. Cidadãos da melhor qualidade foram às ruas para apresentar o seu projeto, dialogar com a comunidade e propor a construção de uma nova realidade para Santiago. Ainda não foi possível. Um dia, será.
Atuar politicamente é um compromisso inarredável para todos os cidadãos que amam a sua cidade. E acreditam que é possível gerar oportunidades para todos, sem privilégios.

domingo, 5 de outubro de 2008

Todas as informações sobre eleição no portal do TSE

O Tribunal Superior Eleitoral vai alterar, no final de semana, o funcionamento do portal que mantém na internet. Saem do ar todos os serviços que não têm ligação direta com a eleição municipal. Nem os e-mails do TSE vão operar. O “formato especial” visa oferecer maior celeridade aos navegantes que buscam informações relacionadas à eleição.
Entre a noite de sábado (20h) e o final da tarde de domingo (17h), só estarão no ar os seguintes serviços:
1. Consulta dos
locais de votação;
2. Emissão do formulário de
justificativa para aqueles que não poderão votar;
3. Consulta à relação de
candidatos de 2008;
4. Centro de
Divulgação das eleições.
Na noite deste domingo (5), a partir das 17h, o portal do tribunal estará voltado exclusivamente à divulgação dos
resultados das urnas.
Estima-se que os nomes dos eleitos e dos candidatos que vão ao segundo turno estarão disponíveis cerca de cinco horas depois do início da apuração.
Na segunda (6), o portal do TSE volta a ter a mesma cara de antes.

sábado, 4 de outubro de 2008

Eleição

Daqui a pouco você vai votar. Será que tem consciência do que realmente representa o seu voto e em quem você vota? Vale a pena ler o que escreveu o jornalista Josias de Souza, em seu blog:

"O eleitor brasileiro tem mania de olhar com distanciamento típico dos "scholars" o quadro de ruína de sua cidade.
Age como se nada fosse com ele. Cômodo. Muito cômodo. Mas desonesto.
Todos deveriam desperdiçar um naco deste domingo eleitoral para fazer uma introspecção.
Pode ser após o despertar, barriga colada à pia do banheiro, enquanto espalha o dentifrício pelas cerdas da escova.
Levando a experiência a sério, depois de bochechar e lavar o rosto, o portador de título eleitoral enxergará no espelho, ao se pentear, o reflexo de um culpado.
Indo mais fundo no processo de auto-exame, o eleitor enxergará o óbvio: prefeitos e vereadores não surgem por geração espontânea. Eles nascem do voto.
E o eleitor talvez levante da mesa do café da manhã convencido de que os dramas de sua cidade exigem dele uma atitude. Um gesto individual e consciente.
Os problemas, por abundantes, não admitem mais que o eleitor se mantenha exilado no conforto de sua omissão política. Intimam-no a retornar à história de sua cidade, consertando-a.
O primeiro passo é o abandono da tola retórica de que os políticos "são todos iguais". Não são.
A igualdade absoluta é uma impossibilidade genética. É papel do eleitor distinguir diferenças, não erigir desculpas que, na prática, o eximem de pensar.
O segundo passo é a caída em si, a descoberta de que se está diante de um desses momentos mágicos.
Circunstância única, em que o poder está ao alcance do dedo indicador, que dedilha o teclado da urna eletrônica.
A magia desse instante está na possibilidade de começar tudo de novo, do zero. Não é todo dia que se tem uma nova chance.
Lembre-se: para o eleito inconsciente, o eleitor impaciente é um santo remédio.
Assim, ao abrir o guarda-roupa, escolha um traje especial, à altura da ocasião. Leve a mão ao fundo do armário. Desencave aquela roupa empoeirada. Vista-se de cidadão.
Ao ganhar o meio-fio, apague por um instante de sua mente os megatemas que polvilham a primeira página dos jornais.
Esqueça George Bush. Risque de seus pensamentos a crise dos EUA e os reflexos dela no Brasil.
Abra o seu espírito para as miudezas que o cercam. Se estiver num grande centro, respire com vagar.
Absorva cada partícula de poluição a que tem direito. Aguce o tímpano. Deixe que os ruídos urbanos o invadam.
Dê uma boa olhada na feiúra à sua volta. Repare na sujeira das ruas e dos monumentos.
Fixe o olhar nos buracos da pista. Observe a ausência de transportes coletivos decentes. Note o lixo acumulado na quina do asfalto.
Eis a cidade diante dos seus olhos. É nesse pedaço de universo, vísceras à mostra, que você come e passa fome, dorme e perde o sono, trabalha e fica desempregado, ama e odeia, canta e chora, espolia e é assaltado. É aqui que você vive e morre a cada dia.
Entrando na cabine eleitoral, trate de pôr um ar solene na face. Não tenha pressa. Você é o dono desse momento. Aproveite-o. Deguste-o. Você é o protagonista do espetáculo.
Faça uma visita ao seu interior. Encontre-se consigo mesmo. Certifique-se de que não esqueceu a consciência em casa. Converse com ela. Questione-a. Depois, estique o dedo e vote com a alma.
Há sempre a alternativa de lavar as mãos e continuar entregando o caso à divina providência.
Se preferir esse caminho, tudo bem. Mas não reclame amanhã, quando descobrir que Deus está morto. Sua omissão o matou. Sente-se. Reze. Peça perdão. Expie os seus pecados. A ruína política é você."