Acompanhando Interface Ativa!

quarta-feira, 18 de junho de 2008

Tempo de decisão

Vivemos num tempo em que urgem decisões e atitudes. O Brasil precisa decidir. O Rio Grande do Sul precisa decidir. Santiago precisa decidir. Não é só o governo que precisa agir. Os cidadãos têm que tomar atitudes. Sair do marasmo, da omissão, do muro, da alienação. Mostrar a cara.

Chega de ver e não fazer nada. Ficar na confortável posição de assistente, sem interferir. Quem não se posiciona não tem o direito de criticar. Quem se dá ao luxo de permanecer mudo antes e durante tem o dever de ficar calado depois.

A omissão, o não-fazer (mesmo sabendo o que deve ser feito) é ceder espaço, é transferir responsabilidades, é perder oportunidades. Significa apartar, separar, desviar e fazer fracassar o que poderia ser aproximar, aprofundar e compartilhar.

Ao mesmo tempo, quem quer contribuir para que se construa uma nova realidade tem que vencer a barreira da vaidade e interagir, sair da casca e conversar, discutir, reunir argumentos, analisar, dialogar e vencer as barreiras, abandonando futilidades, mesquinharias, miçangas, canutilhos e paetês. Reduzir a pó os empecilhos (na maioria das vezes imaginários) projetados apenas pelo temor de que uma atitude conciliatória seja tomada por demonstração de fraqueza ou de covardia.

Quem participa, constrói junto.
Quem contribui por ter consciência de que não se faz nada sozinho, é sábio.
Quem participa para construir e contribui para a transformação colabora para que haja um milagre.
Quem não acredita no impossível não tem forças nem para concretizar o possível.
Será que ainda é possível mudar? Abandonar a prepotência, a arrogância, a insânia da auto-suficiência?
Será que ainda é possível sonhar com a soma das parcelas para constituir um produto muito melhor?
Será que ainda é possível sonhar com adição e multiplicação em vez de penar com diminuição e divisão?
Unir forças ainda serve para multiplicar resultados.

Nenhum comentário: