Acompanhando Interface Ativa!

sexta-feira, 27 de junho de 2008

A Palavra do Dia

TURISTA: Duas turistas foram assaltadas na terça-feira, na Praça dos Três Poderes, em Brasília, bem em frente ao Palácio do Planalto. Turista vem do francês tour, que por sua vez deriva do latim tornare e do grego tornos, que significa volta ou movimento ao redor de um ponto central ou eixo. Um tour, portanto, representa uma viagem circular, ou seja, o ato de partirpar e posteriormente regressar ao ponto inicial. Quem empreende essa jornada é um turista, palavra introduzida na Língua Portuguesa no início do século XX.

A Palavra do Dia é um serviço gratuito dirigido aos clientes cadastrados do Dicionário Aulete Digital: O primeiro dicionário livre, gratuito e interativo do Brasil. A palavra é sua!

quinta-feira, 26 de junho de 2008

TCE muda norma que puniu jornais

Por 6 votos contra 1, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou hoje mudança nas regras de divulgação de entrevistas com candidatos e pré-candidatos antes do período de campanha eleitoral - que começa no dia 6 de julho. A partir de agora, é permitido a pré-candidatos falar sobre seus projetos e plataformas de governo em entrevistas à imprensa.

A proposta de mudança da resolução 22.178, que pôs fim ao artigo 24, que proibia falar sobre propostas de governo, foi do presidente do TSE, ministro Carlos Ayres Britto. Na discussão, somente o ministro Marcelo Ribeiro votou contra.

Os ministros decidiram criar um outro artigo permitindo até mesmo a exposição de plataformas de governo - respeitando, no caso de emissoras de rádio e TV, tratamento isonômico para pré-candidatos. Novo parágrafo foi acrescentado ao texto, ressaltando que eventuais abusos e excessos serão apurados e punidos conforme prevê a legislação eleitoral.

A mudança nas regras foi motivada pelas decisões judiciais em que multaram o jornal Folha de S. Paulo e a Editora Abril, além dos pré-candidatos à Prefeitura de São Paulo Marta Suplicy (PT) e Gilberto Kassab (DEM), por suposta propaganda eleitoral antecipada. A assessoria do TSE informou que a decisão do tribunal não tem aplicação automática nas multas de Marta Suplicy e Gilberto Kassab, mas deve ser levada em conta pela Justiça Eleitoral para analisar recursos, o que abre caminho para que eles sejam beneficiados com decisões favoráveis.

Para o presidente do TSE, entrevista não pode ser confundida com propaganda eleitoral. Não se pode perder uma oportunidade sequer para reafirmar a liberdade de expressão. O clímax da democracia é a eleição, disse o ministro Ayres Britto. A liberdade de expressão é um dos pilares da democracia. A proposta homenageia a liberdade de imprensa, disse o ministro Ricardo Lewandowski.

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Anonimato

Não gosto de anonimato. É prerrogativa dos covardes. Recebi um comentário anônimo e o publiquei, como publico todos os que recebo. Senhor anônimo, os espíritos merecem respeito, sim. Todas as pessoas merecem respeito, mesmo que não se respeitem.

Consulta Popular em Santiago

Hoje, a partir das 9h, acontece a votação das demandas da Consulta Popular 2008. As prioridades a serem votadas, na abrangência do COREDE Vale do Jaguari, do qual Santiago faz parte, são:

1. elaboração de planos ambientais municipais;
2. construção de açudes para irrigação;
3. construção da pista do aeroporto de Santiago;
4. construção de açudes para piscicultura;
5. perfuração de poços tubulares comunitários;
6. equipamentos de unidades de saúde ambulatoriais para Hospitais;
7. equipamentos para Unidades Básicas de Saúde;
8. execução de redes de abastecimento de água;
9. Kit proteção para a Brigada Militar e
10. kit mobiliário para o Ensino Médio.

A população poderá votar em até três demandas, entretanto o Governo do Estado vai contemplar cinco. Em Santiago haverá urnas nas escolas Professor Isaías, Thomas Fortes, Cristóvão Pereira, Alceu Carvalho, Lucas Araújo, Apolinário Porto Alegre, Monsenhor Assis, João Eduardo Witt Schimitz (CIEP), Cândido Genro, João Evangelista, São José e URI; no Centro Social Urbano, Centro Empresarial, Prefeitura, Câmara de Vereadores, nos dois supermercados da Cooperativa Triticola e Rede Vivo, Hospital de Caridade, Brigada Militar, Corpo de Bombeiros e Corsan.
Não esqueça de levar o seu título de eleitor.

Novo desenho de uma paixão nacional

O Gol, líder de vendas desde 1987, ganhou nova plataforma e desenho esportivo.O lançamento oficial do modelo será neste domingo (29), na fábrica da VW de São Bernardo (SP).
A Volkswagen liberou nesta quarta-feira a primeira foto oficial do Novo Gol, lançamento mais aguardado dos últimos anos. O modelo, que assumiu a liderança do mercado brasileiro em 1987 e já vendeu mais de 5,15 milhões de unidades, passa pela primeira grande reformulação desde 1994.
O Novo Gol traz um design que transmite esportividade, além de ser mais espaçoso e potente que o Gol atual. "É um carro completamente novo, robusto, seguro, confiável e versátil como um Gol, mas numa nova plataforma e com muito mais tecnologia", comenta Thomas Schmall, presidente da VW do Brasil.

Recursos para Santiago no OGU

O deputado federal Cláudio Diaz (PSDB-RS), atendendo à solicitação do Partido, indicou a Prefeitura Municipal de Santiago para receber recursos no valor de R$100.000,00, do Programa Apoio a Projetos de Desenvolvimento do Setor Agropecuário, a serem utilizados na aquisição de equipamentos agrícolas, para o desenvolvimento da Fruticultura, conforme Emenda de Bancada nº 71220005, Funcional Programática 20.605.6003.7H17.0560, Orçamento Geral da União 2008, no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

terça-feira, 24 de junho de 2008

Flores para Ruth Cardoso

Faleceu, agora à noite, a antropóloga Ruth Cardoso, esposa do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Quando Fernando Henrique decidiu ser candidato a presidente, Ruth foi a grande apoiadora, a grande companheira. Primeira-dama das mais discretas, continuou levando sua vida intelectual e acadêmica, dentro do possível, nas suas novas funções.

Foi Ruth quem criou no governo o primeiro programa de inclusão social, depois adotado e seguido pelo governo Lula: o Comunidade Solidária, que atendia a famílias carentes, mas sempre procurando um ofício, uma forma de sustentação para as famílias beneficiárias. Mais do que o esteio de um grande homem, Ruth Cardoso foi uma grande mulher.

Flores para Ruth Cardoso, mulher engajada que estendeu seu olhar generoso para todo o país.

Flores para Mariluce

Mariluce era uma flor. Grande amiga. Bondosa, amável, generosa. Enquanto esteve aqui, Mari conjugou com esplendor o verbo amar. Ontem, partiu. Em sua humildade, deixou um grande legado. As pessoas vão, o amor permanece. Mariluce só pediu flores.

Eu recomendo...

O LIVRO DAS CITAÇÕES - Um Breviário de Idéias Replicantes
Eduardo Giannetti

Companhia as Letras

À maneira de um conto renascentista, este é um livro feito inteiramente de fragmentos de outros livros.O prefácio é uma coleção de citações sobre a inutilidade dos prefácios; a conclusão reúne passagens sobre a arte de concluir. Fruto de três décadas de garimpo, tudo nele é tomado de empréstimo — tudo foi cuidadosamente peneirado e pinçado de um patrimônio intelectual abrangendo distintas tradições e 25 séculos de contribuições à filosofia, ciência e literatura universais.

Esta não é uma simples coletânea de provérbios, aforismos ou ditos espirituosos. Trata-se de “um breviário de idéias replicantes”: um livro que identifica um conjunto de feixes temáticos, junta pontos cruciais da árvore genealógica de cada um deles e ilustra com profusão de exemplos — verdadeiras famílias de indagações e conjecturas, reflexões e inquietações humanas — sua capacidade de propagação na história das idéias.O Livro das Citações está estruturado em quatro grandes temas: o uso da linguagem; a busca do saber; a conduta individual e a ética cívica.

Ao longo de 36 capítulos, o leitor poderá perambular prazerosamente ao acaso, como na companhia de um amigo a quem se retorna, e encantar-se com coleções de citações encadeadas que nos levam da “ansiedade do tempo” ao “ponto de vista cósmico”; da “fome execranda do ouro” ao “feitiço da linguagem”; do “elogio do sono” a “amor, sexo, amizade”; de “a civilização entristece” aos “efeitos morais e intelectuais dos trópicos”.

domingo, 22 de junho de 2008

Mostra em Londres exibe nova arquitetura brasileira

O interior do clube Nox, de Recife, tem design futurista e é sensação na Mostra Raw
Uma exposição que será aberta ao grande público amanhã, 23, vai trazer os novos talentos da arquitetura brasileira para Londres como parte do London Festival of Architecture. A Mostra Raw – Nova Arquitetura Brasileira, com curadoria do arquiteto brasileiro baseado em Londres, Ricardo de Ostos, vai mostrar os projetos de novos arquitetos ao lado do trabalho de figuras já consagradas. A exposição também traz projetos de estudantes de arquitetura de várias universidades brasileiras, que foram encorajados a produzir um trabalho em resposta às diretrizes do curador.

A exposição é centrada nos edifícios e experimentações espaciais que propõem novas visões e desafiam o modo de viver dos brasileiros, segundo a Galeria 32, onde será realizada a mostra.

Entre os arquitetos participantes estão o vencedor do Prêmio Pritzker Paulo Mendes da Rocha, de São Paulo, Sérgio Roberto Parada, de Brasília, Fernando Maculan, do escritório Galapagos, de Belo Horizonte, Igor de Vetyemy, com estúdio no Rio de Janeiro, Metro Arquitetura + Juliano Dubeux, de Recife, Naja-deOstos, de Londres e SUBdv, dos arquitetos Franklin Lee e Anne Save de Beaurecueil, com estúdios em São Paulo e Londres. A obra também traz projetos premiados do esritório Brasil Arquitetura, sediado em São Paulo.

O arquiteto Jaime Lerner é convidado de honra e neste fim de semana participa de uma palestra de abertura, aberta ao público. A mostra fica em cartaz até o dia 18 de Julho.

Para reflexão

José Ingenieros escreveu: "Quando colocamos a proa visionária na direção de uma estrela qualquer e nos voltamos às magnitudes inalcançáveis, no afã de perfeição e rebeldes à mediocridade, levamos dentro de nós, nesta viagem, a força misteriosa de um ideal".

sábado, 21 de junho de 2008

E o nosso Jardim Botânico?

Após a leitura de uma belíssima reportagem sobre o Jardim Botânico de Santa Maria, publicada no Diário de Santa Maria de hoje, lembrei que Santiago também possui um Jardim Botânico só que, infelizmente, abandonado. O Jardim Botânico de Santiago pertence à URI e está localizado em área próxima ao Ginásio Poliesportivo Aureliano de Figueiredo Pinto. Aliás, tudo o que diz respeito ao meio ambiente, em nossa cidade, fica em segundo plano, pelo menos em relação às iniciativas do Poder Público. Há uma secretaria do Meio Ambiente, recém criada, que só troca de gestor, sem que políticas públicas para o setor sejam pensadas e exercitadas. As ações práticas ficam por conta de associações privadas, onde existem cidadãos conscientes e de boa vontade.

No caso específico de um Jardim Botânico, quais são os seus objetivos? Fui pesquisar.

Um Jardim Botânico visa proteger a flora nativa, incluindo a fauna a ela associada, com prioridade às espécies ameaçadas, por meio da conservação, da manutenção das coleções científicas e do intercâmbio com outras instituições.

Um Jardim Botânico precisa sensibilizar a população em geral, por meio de um programa voltado para a importância da flora e da fauna nativas, com o uso de ações educativas destinadas a públicos diferenciados; promover a difusão do conhecimento científico produzido; apoiar as instituições de ensino formal e capacitar professores, incluindo o desenvolvimento de coleções educativas e trilhas interpretativas;

Um Jardim Botânico tem que propiciar o desenvolvimento de atividades compatíveis com os objetivos, promovendo a educação do público visitante, por meio de placas informativas, auto-explicativas e trilhas interpretativas, dentre outras formas de difusão do conhecimento sobre a flora e fauna encontradas;

Um Jardim Botânico deve realizar e apoiar o desenvolvimento de pesquisas que concorram para o enriquecimento do saber sobre a flora local, priorizando a conservação das espécies nativas, o levantamento da vegetação, a utilização dos produtos oriundos da região, a propagação de plantas, a manutenção de coleções, bem como sobre as demais áreas de atuação do empreendimento;


Além de tudo, um Jardim Botânico é um espaço de contemplação, de reflexão e de intenso e íntimo contato com a natureza, servindo para que o homem reflita sobre as suas responsabilidades para com o meio ambiente. A comunidade de Santiago precisa agir, pleiteando para que o Poder Público assuma a responsabilidade que lhe é inerente na construção de políticas públicas destinadas à preservação do meio ambiente e encontrar uma maneira de viabilizar o nosso Jardim Botânico.

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Júlio Prates e Vivian Dias, os candidatos do PT à Eleição Majoritária

Júlio Prates e Vivian Dias são os candidatos do PT*
O Partido dos Trabalhadores definiu, na noite de ontem, em encontro partidário, os candidatos para a Eleição Majoritária. Júlio César Prates e Vivian Dias são os candidatos a prefeito e a vice. O PT também decidiu concorrer sozinho na Eleição Proporcional, buscando retomar a representatividade no Parlamento Municipal. Os nomes serão referendados no dia 26 de junho, na Convenção Municipal do PT.
Cumprimentos ao Júlio e à Vivian e a certeza de um debate eleitoral qualificado, pela competência dos quadros escolhidos.
*A foto é de Anderson Taborda, do jornal Expresso Ilustrado

Palavras escritas com gelo

A frieza que ultimamente tem interferido na relação das pessoas é um mal do mundo moderno, onde não há mais tempo para nada, nem mesmo para construir relacionamentos, quanto mais melhorá-los. E as pessoas vivem e sobrevivem de relacionamentos. Temos conviver para manter o equilíbrio, crescer e existir mais humanamente.

Frieza, indiferença, descaso, são palavras escritas com gelo. Cristalizam. Fazem parte de um vocabulário muito usado, não só com palavras, mas pelo olhar. Um olhar soturno, acinzentado, cor de treva. Se observarmos as pessoas, na rua, a maioria caminha rápido, passos largos, em aflição, não olham para os lados, não têm tempo, vão perder o ônibus, vão chegar atrasados ao trabalho, têm um compromisso, precisam correr...olhos mortos, sem expressão, fixos apenas em medir a distância que as separa de seu destino, que é o mesmo, todos os dias.

Ir e vir. Vir e ir. Sem parar. Trabalhar sem descanso porque há contas a pagar, porque há compromissos a cumprir, há tarefas a entregar. Nem lembramos mais que há um EU a cuidar, que há um TU a esperar, que a um NÓS a construir.

Na verdade, lembramos, sim. O que impede a aproximação é o medo. O medo da indiferença. O medo da frieza que vemos nos olhos dos outros, esquecendo que é a mesma que vêem em nosso olhar. É o medo da dor, daquela dor que varre o mundo, que sacode a terra, que desfia os ventos, que nos invade, que nos divide, que nos diminui, que nos encerra...

Há que olhar mais fundo para compreender. Há que parar para enxergar. Há que ter sensibilidade para entender que o meu olhar de gelo que reflete o teu é apenas a armadura que esconde o calor, que cristaliza a lágrima escondida, represada, pronta a desaguar a um mínimo gesto, um sinal...desfazendo o olhar antártico criado apenas para proteção.

Palavras escritas com gelo podem ser transformadas em palavras escritas com fogo. Olhar de gelo também pode ser aquecido por generosidade, brandura, amor.

Às vezes, o gelo no olhar e na palavra é pura falta de exercício.

Frio?

O Inverno chega hoje, às 20h59min e se estende pelos meses de julho, agosto e parte de setembro, com uma certeza: os termômetros devem marcar, em média, de 1°C a 2°C a menos do que no ano anterior. A temperatura baixa tem explicação plausível - é o resultado do resfriamento das águas do Oceano Pacífico Sul, onde o fenômeno conhecido por La Niña age tornando as temperaturas muito baixas na região Sul do Brasil, fenômeno que já experimentamos no Outono, quando os termômetros registraram temperatruras de até -5°C nas regiões serranas do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Em Santiago houve noite que os termômetros marcaram -3°C!
Estael Simas, da Central de Meteorologia, explica que La Niña intensifica os ventos na região que abrem caminho para a chegada de massas de ar polar, produzindo tempo seco. A previsão é de que haverá frio e chuvas abaixo da média durante o período.

Hoje,quando inicia o Inverno, acontece a noite mais longa do ano. Vai começar às 17h32min54seg e só vai terminar no sábado, às 7h20min32seg. Serão quase 14h sem que a luz do Sol nos ilumine.

Aliás, falando em temperaturas, há uma história interessante a contar. Santiago é uma cidade com localização e relevo que fogem aos padrões das regiões vizinhas no que diz respeito a temperaturas. Quando trabalhava na Assessoria de Comunicação da ACIS (Associação Comercial, Industrial e de Serviços), na gestão de José Atilio Tamiosso e Elton Doeler, a Diretoria decidiu encaminhar ao jornal Zero Hora a sugestão de incluir Santiago no Mapa Meteorológico, devido à diferenciação das temperaturas em relação às regiões vizinhas. Foi uma luta de quatro anos, mas conseguimos. Porém, ainda a previsão das temperaturas máxima e mínima não condiz com as realmente registradas na cidade. Principalmente no inverno. Em casa, tenho um termômetro muito sensível e confiável - a base fica no interior da residência e há uma estação instalada na área externa que envia a indicação, via ondas de rádio, para a base interna. Hoje o jornal previa a mínima de 13°C. A estação doméstica registrou mínima de 5°C. Uma grande diferença! As previsões do site Climatempo são bem mais aproximadas.

Mais importante que a eficiência da previsão é que temos Santiago no Mapa Meteorológico da ZH!

TSE vai rever norma que proíbe entrevista com candidatos

A origem de toda a polêmica e das ações da promotoria de São Paulo contra a Folha de S. Paulo e a revista Veja - e agora contra o Estado, impondo sanção através de multa pecuniária - está na resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de 2006, que valerá para as eleições deste ano. O texto, que impede os jornalistas de entrevistar pré-candidatos sobre suas propostas, afronta a Constituição, segundo o presidente do TSE e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Carlos Ayres Britto. “Eu entendo que ela se contrapõe à Constituição”, afirmou Britto.

O presidente do TSE revelou que pretende, já na próxima semana, levar o assunto ao plenário do Tribunal para que os ministros resolvam esse problema de uma vez por todas. O objetivo é evitar que ocorram mais ações desse tipo contra jornais e revistas.
Os veículos de comunicação e a ABI entendem que a resolução nada mais é do que censura e cerceamento da liberdade de expressão e já tomaram as medidas cabíveis.

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Sexo e chocolate aumentam capacidade cerebral, dizem pesquisadores

Fazer sexo, comer chocolate amargo e consumir um café da manhã rico em frios pode ser o segredo para treinar e impulsionar a capacidade cerebral. A tese é defendida no livro Teaching Yourself: Training Your Brain, que será publicado em janeiro na Inglaterra e ainda não tem data para chegar ao Brasil. Na obra, os autores Terry Horne e Simon Wootin analisam como a dieta, o ambiente e o estresse afetam a capacidade mental das pessoas.

Grande parte das sugestões feitas no livro tem como base substâncias químicas liberadas no organismo a partir de certas atividades, como fazer sexo.

De acordo com a obra, a penetração durante o ato sexual aumenta os níveis de oxitocina, que estimula o cérebro a pensar em novas idéias e soluções para problemas, enquanto que o pós-coito aumenta a quantidade de serotonina, estimulando a criatividade e o pensamento lógico.

No que se refere à alimentação, os autores acreditam que ingredientes encontrados no chocolate amargo, como magnésio e antioxidantes, aumentam a oxigenação cerebral. E comer frios, ovos ou peixes no café da manhã dá mais energia e facilita a absorção de nutrientes pelo organismo.
“Durante décadas nós pensamos que a capacidade no cérebro é geneticamente determinada, e agora ficou claro que é uma questão de estilo de vida”, explicou Terry Horne, autor do livro e palestrante na Universidade de Lancaster. Os autores aconselham os leitores a seguirem um “conceito de vida” chamado BLISS (prazer corporal, alegria, envolvimento, satisfação e sexo, na sigla em inglês) para aumentar a performance mental.

E ainda afirmam que quem quer impulsionar o cérebro deve evitar fumar maconha, assistir a novelas e conviver com quem reclama muito da vida. “Misture-se com pessoas que te façam rir. Evite as pessoas que reclamam demais porque elas podem deixá-lo deprimido”, aconselhou Hornes, que ainda defende baixa ingestão de álcool e carnes vermelhas.

Ainda na lista das atividades para estimular o cérebro, os autores defendem que crianças façam deveres de casa acompanhadas de colegas ou dos pais e que desde cedo sigam uma dieta baixa em gordura, rica em brócolis, peixes com ômega 3, pães e massas integrais.

Florença quer revogar ordem de exílio de Dante

A cidade italiana de Florença deu o primeiro passo para revogar uma ordem de exílio imposta sobre o poeta renascentista italiano Dante Alighieri, no século 14. Sete séculos após ter condenado Dante a uma vida de exílio, sob pena de morte caso a ordem fosse desobedecida, a cidade resolveu voltar atrás.

O conselho municipal florentino aprovou uma moção pedindo que o autor da Divina Comédia seja reabilitado pelo prefeito da cidade em uma cerimônia pública. Segundo a proposta, um dos descendentes do escritor seria presenteado com a honraria mais alta que a cidade pode conceder. A cerimônia incluiria uma revogação formal da lei que enviou Dante ao exílio em 1302, por ele ter apoiado a facção política "errada".
Mas nem todos concordam com a idéia de devolver o poeta à sua cidade natal. Críticos argumentam que revogar postumamente o exílio de Dante Alighieri é um golpe publicitário - e ignora a importância da experiência (ser exilado) para a poesia do escritor, especialmente para o último volume da Divina Comédia. Paraíso, terceiro e último volume da obra, foi concluído pouco antes da morte de Dante, em 1321.

O poeta, que durante todo o exílio sonhou com o retorno à terra natal, morreu e foi enterrado na cidade italiana de Ravena, onde sua tumba é hoje uma grande atração turística. Florença, por sua vez, tem de se contentar com uma tumba vazia, instalada em uma de suas maiores igrejas, construída muito depois de sua morte.

Bertrand Russel, fanatismo e um Código de Conduta liberal

Neste mundo de idéias e opiniões tão controversas, fanáticos brotam em profusão, todos os dias. A propósito, consultemos um brilhante pensador: Bertrand Arthur William Russell, 3º Conde Russell (1872, 1970) foi um dos mais influentes matemáticos, filósofos e lógicos que viveram no século XX. Um importante político liberal, ativista e um popularizador da Filosofia. Milhões de pessoas respeitaram Russell como uma espécie de profeta da vida racional e da criatividade. Em 1950, Russell recebeu o Prêmio Nobel de Literatura em reconhecimento dos seus variados e significativos escritos, nos quais ele se bateu por ideais humanitários e pela liberdade do pensamento.

Em sua obra, A Última Oportunidade do Homem, Bertrand Russel falou sobre fanatismo: "A essência do fanatismo consiste em considerar determinado problema como tão importante que ultrapasse qualquer outro. Os bizantinos, nos dias que precederam a conquista turca, entendiam ser mais importante evitar o uso do pão ázimo na comunhão do que salvar Constantinopla para a cristandade. Muitos habitantes da península indiana estão dispostos a precipitar o seu país na ruína por divergirem numa questão importante: saber se o pecado mais detestável consiste em comer carne de porco ou de vaca. ...Os que opõem objeções teológicas à limitação dos nascimentos, consentem que a fome, a miséria e a guerra persistam até ao fim dos tempos porque não podem esquecer um texto, mal interpretado, do Gênesis. Os partidários entusiastas do comunismo, tal como os seus maiores inimigos, preferem ver a raça humana exterminada pela radioatividade do que chegar a um compromisso com o mal - capitalismo ou comunismo segundo o caso. Tudo isto são exemplos de fanatismo. Em cada comunidade há um certo número de fanáticos por temperamento. Alguns desses fanáticos são essencialmente inofensivos e os outros não fazem mal enquanto os seus partidários forem pouco numerosos ou estiverem afastados do poder. Os amish na Pensilvânia pensam que é mau usar botões; isto é completamente inofensivo, salvo na medida em que revela um estado de espírito absurdo. ...Para curar o fanatismo - salvo nas aberrações raras dos indivíduos excêntricos - são necessárias três condições: segurança, prosperidade e educação liberal."


A título de curiosidade, Russell propôs um Código de Conduta liberal baseado em dez princípios, à maneira do decálogo cristão. "Não para substituir o antigo", diz Russell em sua autobiografia, "mas para complementá-lo". Os dez princípios são:

1. Não tenhas certeza absoluta de nada;
2. Não consideres que valha a pena proceder escondendo evidências, pois as evidências inevitavelmente virão à luz;
3. Nunca tentes desencorajar o pensamento, pois com certeza tu terás sucesso;
4. Quando encontrares oposição, mesmo que seja de teu cônjuge ou de tuas crianças, esforça-te para superá-la pelo argumento, e não pela autoridade, pois uma vitória dependente da autoridade é irreal e ilusória;
5. Não tenhas respeito pela autoridade dos outros, pois há sempre autoridades contrárias a serem achadas.
6. Não uses o poder para suprimir opiniões que consideres perniciosas, pois as opiniões irão suprimir-te;
7. Não tenhas medo de possuir opiniões excêntricas, pois todas as opiniões hoje aceitas foram um dia consideradas excêntricas;
8. Encontres mais prazer em desacordo inteligente do que em concordância passiva, pois, se valorizas a inteligência como deverias, o primeiro será um acordo mais profundo que a segunda;
9. Sê escrupulosamente verdadeiro, mesmo que a verdade seja inconveniente, pois será mais inconveniente se tentares escondê-la;
10. Não tenhas inveja daqueles que vivem num paraíso dos tolos, pois apenas um tolo o consideraria um paraíso.

Em risco...

A Seleção Brasileira é paixão nacional. Em tempos difíceis, quando os resultados alcançados não são satisfatórios, a primeira cabeça posta a prêmio é a do técnico... O talentoso chargista Amarildo soube muito bem interpretar a vontade dos torcedores e da imprensa, que querem Dunga fora da Seleção após resultados negativos seguidos (0x2 contra o Paraguai e 0x0 contra a Argentina), que deixam, transitoriamente, o time brasileiro em 4° lugar nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010, podendo baixar para 5°, hoje, caso haja um vencedor no jogo entre Chile e Venezuela, às 22h.

Apenas os quatro primeiros colocados garantem vaga no Mundial da África do Sul. Para participar da Copa, o quinto colocado precisa passar pela repescagem diante de um adversário da Concacaf, algo que nunca aconteceu com a Seleção Brasileira, a única a participar de todas as edições da Copa do Mundo.

Convém registrar que estamos apenas no primeiro terço das eliminatórias. Há muita coisa pela frente... Também o Liberati sapecou a sua crítica à Seleção por ocasião da derrota para o Paraguai, no último domingo, por 2 x 0.

quarta-feira, 18 de junho de 2008

Uma palavra

Há pessoas que são especialistas em usar a palavra para expressar o que pensam e dispõem de espaço qualificado na mídia, que atinge milhões de pessoas. São formadores de opinião – cultos, sensatos, experientes, equilibrados e por isso, acreditados. Também leio o que escrevem e os admiro, às vezes por sua coragem, outras por sua ousadia e sempre por sua capacidade de bem escrever e ordenar racionalmente as ideias. É o que chamo de arte do texto.


Porém, há certos dias em que lhes lastimo o pensamento infeliz grafado numa palavra mal-dita. Quem escreve para muitos e sabe que atinge milhões de leitores não pode se dar ao luxo de perder a temperança e a lucidez, externando opiniões que geram máxima polêmica e ainda provocam sofrimento em quem é atingido pela palavra mal-posta. Ainda mais quando o escrevente se arvora em mago e adivinho, tratando de antecipar decisões em curso.

Aí, senhores do belo texto, lhes retiro toda a brilhatura e lhes casso os elogios abundantes, sobrando apenas a atenuante de que também vivem sob a humana condição de errar e são tão passíveis de erro como nós, simples aprendizes, na arte de escrever e de viver.

De outra parte, quem escreve mal e se esconde nos meandros da soberba e da arrogância, acreditando-se poderoso, utilizando o veículo de comunicação como escora de sua prepotência, este, pode, esperar, que a sua hora vai chegar.

É certo e veloz o castigo para quem se arvora em ser dono da verdade, tudo pode antecipar e o faz, através do poder da palavra, que os torna arrogantes, insensíveis, inatingíveis. Não o castigo dos molestados pelo poder da palavra mas o castigo interior, da própria vida, o castigo da alma, aquele que nos faz menores como pessoas.

Então, senhores da palavra, moderação, humildade e modéstia são qualidades sempre bem-vindas e que constantemente devem ser exercitadas, ainda mais nesse ofício tão exposto e árduo que é o de comentar sobre a vida e sobre os viventes!

Para quem sabe escrever, palavra é arma. Dependendo do combate e dos detratores, faca de dois gumes.

Tempo de decisão

Vivemos num tempo em que urgem decisões e atitudes. O Brasil precisa decidir. O Rio Grande do Sul precisa decidir. Santiago precisa decidir. Não é só o governo que precisa agir. Os cidadãos têm que tomar atitudes. Sair do marasmo, da omissão, do muro, da alienação. Mostrar a cara.

Chega de ver e não fazer nada. Ficar na confortável posição de assistente, sem interferir. Quem não se posiciona não tem o direito de criticar. Quem se dá ao luxo de permanecer mudo antes e durante tem o dever de ficar calado depois.

A omissão, o não-fazer (mesmo sabendo o que deve ser feito) é ceder espaço, é transferir responsabilidades, é perder oportunidades. Significa apartar, separar, desviar e fazer fracassar o que poderia ser aproximar, aprofundar e compartilhar.

Ao mesmo tempo, quem quer contribuir para que se construa uma nova realidade tem que vencer a barreira da vaidade e interagir, sair da casca e conversar, discutir, reunir argumentos, analisar, dialogar e vencer as barreiras, abandonando futilidades, mesquinharias, miçangas, canutilhos e paetês. Reduzir a pó os empecilhos (na maioria das vezes imaginários) projetados apenas pelo temor de que uma atitude conciliatória seja tomada por demonstração de fraqueza ou de covardia.

Quem participa, constrói junto.
Quem contribui por ter consciência de que não se faz nada sozinho, é sábio.
Quem participa para construir e contribui para a transformação colabora para que haja um milagre.
Quem não acredita no impossível não tem forças nem para concretizar o possível.
Será que ainda é possível mudar? Abandonar a prepotência, a arrogância, a insânia da auto-suficiência?
Será que ainda é possível sonhar com a soma das parcelas para constituir um produto muito melhor?
Será que ainda é possível sonhar com adição e multiplicação em vez de penar com diminuição e divisão?
Unir forças ainda serve para multiplicar resultados.

terça-feira, 17 de junho de 2008

Difícil decisão

Na tarde de 16 de junho, Vulmar Leite (PSDB), até então pré-candidato a prefeito, comunicou oficialmente aos presidentes do PDT e do DEM a decisão da Executiva do PSDB de retirar o seu nome da disputa, após leitura crítica das condições políticas e de infra-estrutura para sustentar a campanha eleitoral que se aproxima.

A seguir, alguns trechos da carta encaminhada ao PDT e ao DEM:

Sobre o Fórum das Oposições:

“... após meses de intensas e infrutíferas discussões entre PSDB/PDT e PMDB, chegamos às vésperas das convenções partidárias sem propostas comuns de oposição ao continuísmo cimentado pelo PP. A unidade de propósitos, tão sonhada, não vingou e, ainda, gerou nova situação difícil de resolver – a desmobilização das Oposições, cujos partidos e militantes, sem vislumbrar um horizonte factível, perderam tempo precioso na operacionalização da campanha”.

Sobre as limitações materiais para a campanha:

“Nessa hora, é importante compreender que, lamentavelmente, todos os partidos do espectro oposicionista sofrem de uma limitação grave que lhes restringe os movimentos – a falta de estrutura material que impede a realização, embora mínima, das ações que fazem parte de uma campanha eleitoral. Me entristece, também, perceber que companheiros de memoráveis lutas passadas estão se afastando da vida política, desencantados com as dificuldades ou, quem sabe, premidos pelas circunstâncias, para preservar suas atividades profissionais, tal o aparelhamento ideológico que hoje campeia em Santiago, por conta dos interesses do continuísmo conservador que impera, soberano”.

Sobre a decisão de não concorrer:

“...Ao analisar essa realidade, a Comissão Executiva Municipal do PSDB chegou à conclusão de que, devido à fragilidade da estrutura partidária existente, não deveria impor-me mais um sacrifício pessoal, mesmo que representasse uma oportunidade palpável para atingir um objetivo comum a todos os militantes do partido. Acolhi estas razões e concordei com a decisão”.

Sobre a decisão do PSDB de continuar apoiando a unidade das Oposições:

“...Essa decisão partidária me sensibiliza, pois demonstra que, além de apreço e respeito pela minha pessoa, o PSDB mantém apoio incondicional à unidade das Oposições, comprovando o espírito público de seus dirigentes e militantes e a consciência de que a unidade e o projeto político de desenvolvimento são mais importantes do que nomes. Assim, é mister que os partidos de Oposição assentem-se, novamente, na derradeira missão de encontrar o seu representante de consenso, aquele que os levará à vitória, superando intransigências, intolerâncias e vaidades, por um objetivo incontavelmente maior em importância, que é o bem-estar da comunidade santiaguense; assegurando-lhe, novamente, o protagonismo das ações em busca do desenvolvimento e da sustentabilidade, proporcionando vida digna e oportunidades iguais para todos”.

Sobre suas crenças e convicções:

“...Ao longo de minha vida pública experimentei muitas conquistas, superei grandes obstáculos e enfrentei outros tantos insucessos, motivado pela consciência de que é preciso agir, trabalhar, tomar atitudes, tendo em vista uma causa maior – um ideal, que moveu e ainda e sempre moverá todos os meus atos – a certeza de que é preciso evoluir na busca do bem comum, operando para que seja assegurada justiça social e melhor qualidade de vida para os cidadãos. Jamais desistirei de minhas crenças, mas permito-me não prosseguir em direção que afete a convicção de outras pessoas, em detrimento de uma causa que deve pairar acima de personalismos”.

Vulmar Leite enalteceu a postura ética responsável e solidária do PDT e do DEM e esclareceu que vai continuar participando do processo eleitoral, agora não mais como pré-candidato, dando a sua contribuição para que os anseios de todos os companheiros sejam realizados.

sábado, 14 de junho de 2008

Do amor e de amar

Do amor e de amar se fala muito e se faz pouco.
Do amor e de amar se mercantiliza o sentir.
Quando se quer bem o melhor presente é o do apreço, aquele que não tem preço, nem forma, mas é perfeito em brilho, luz e cor.
Quando se quer bem o melhor presente é o respeito, o cuidado, a consideração que somados querem dizer amor, significam vida e plenificação do Ser que somos.
Amar pode dar certo, só impõe uma condição essencial – a disponibilidade. Por sermos tão indisponíveis, tão centrados, tão egoístas, jogamos fora oportunidades para conhecer e viver o amor. Podemos até conhecê-lo, mas se continuarmos focados no Eu jamais chegaremos ao Nós, porque desconsideramos o Tu.
Amar é sinônimo de compartilhar, dividir, com-por, com-prazer, co-habitar, contribuir para a realização do outro, sem cobrar o investimento, que vem em dobro em sentimento.
Amar é uma arte que a poucos é dado saber o segredo. O amor que vive e sobrevive para sempre é acompanhado permanentemente por respeito mútuo, admiração, cordialidade, gentileza, companheirismo, entrega, superação, aceitação. Senão, não é amor.
Por isso, o amor é raro.
Por isso, o amor é caro.
Por isso o amor é tão procurado – tarefa para a vida inteira, porque de construção lenta para ser duradouro. É como uma jóia artesanalmente lapidada, por mãos inspiradas. Mãos que amam tanto quanto a alma e o corpo amam.
Por ser tão raro, o amor dificilmente é reconhecido e facilmente é confundido.
Amar não é ser proprietário de quem se ama. Amar não impõe regras nem proibições. O amor não aprisiona nem acorrenta. Por amar não se manda conta ao parceiro, cobrando pelo sentimento, pela dedicação, pela companhia.
Se a recíproca não existe se desfaz a sociedade. É isso que comumente não aceitamos. Amar não se conjuga no singular. Somente no plural. A rejeição nos faz sofrer e perder as fronteiras da realidade. As tentativas, todas, são vãs quando só um ama. Essa percepção é dolorida mas necessária para que possamos manter a auto-estima, a dignidade e o respeito por nós mesmos, enquanto pessoas.
O Dia dos Namorados regulamentar já passou, mas sempre é tempo de refletir um pouquinho sobre a nossa maneira de ser no amor e no amar...

quarta-feira, 11 de junho de 2008

Jornalismo e poder

Interessante artigo escreveu o ex-deputado Jarbas Lima no Correio do Povo de domingo, 08 de junho, sob o título de Jornalismo e poder. Reproduzo-o pela pertinência das observações, válidas para a reflexão de todos os profissionais da imprensa.
"É de se reconhecer a tentação a que são submetidos os detentores da faculdade de mobilizar a opinião pública, de se tornarem eles os sujeitos da realidade, e não meras testemunhas ou porta-vozes dessa realidade examinada. É mais fácil querer fazer política, em lugar de apenas noticiá-la, ou criar os fatos, em lugar de apenas registrá-los ou comentá-los. Dessa tentação não estão livres as empresas de comunicação, os profissionais que atuam nos afazeres jornalísticos. Poder-se-ia dizer que faz parte da natureza humana aspirar a esse tipo de poder. Para enfrentar isso, é preciso não apenas uma aperfeiçoada consciência do que significa a função jornalística, mas uma noção cada vez mais adequada à realidade da imprensa, como um todo, no universo da democracia. Isso implica, também, um certo refreamento ao esprit de corps que permeia tanto as empresas de comunicação isoladamente como a imprensa.
Para êxito de uma empresa de comunicação, como qualquer outro negócio, é preciso competência, tirocínio e confiabilidade no produto que oferece. Só que essa confiabilidade, no caso da imprensa, é feita de diversos componentes, que vão desde a linha editorial ou de programação, que deve ser coerente e perpassar todas as manifestações do produto, até a administração diária de um valor pouco objetivo, mas essencial no metier, que é a verdade. O que o público deseja do seu jornal, da sua emissora de rádio e de TV é a feição verdadeira de como e do porquê as coisas acontecem, de como o mundo, afinal, é feito. Essa verdade não é apenas uma adequação entre noticiário e os fatos do dia: é a adequação dos produtos todos às aspirações da comunidade; é a formação com padrões éticos seguidos ou desejados; é, enfim, uma construção árdua, cotidiana e interminável de credibilidade e que presume sensibilidade também.
Assim como é impossível abarcar toda a riqueza dessa temática, também não é possível concluir por regras firmes no sentido de ampliar os aspectos positivos ou diminuir os negativos das realidades observadas. Não existem fórmulas feitas para isso. Existem sim, forças sociais que agem e interagem no sentido do aperfeiçoamento coletivo, para o que apenas dois elementos devem ser inegociáveis e inalteráveis: Uma imprensa livre numa sociedade democrática."

www.diogobrum.blogspot.com

Fiquei feliz de saber que o meu amigo e colega Diogo Brum também está atuando no espaço dos blogs. Trata-se de um grande profissional, competente e criativo, além de uma figura humana ímpar. Vi nascer e crescer este talento, acompanhando a sua trajetória no jornal A Folha Regional e, mais recentemente, na FOLHA Santiago.

Não dá pra perder as opiniões de Diogo Brum em Da redação. Por isso, acesse

A política e suas razões

A política tem muitas razões e, às vezes, nenhuma séria.
A política tem muitas razões e, às vezes, nenhuma decente. Às vezes, nenhuma honesta.
Nenhuma razão séria, nenhuma razão decente, nenhuma razão honesta porque, na maioria das vezes, os políticos não sabem (ou fingem que não sabem) o que é política. Por ignorância ou estratégia.

Ora, política é a arte de promover o bem comum, existe para a satisfação das necessidades de todos. Sem que interesses espúrios maculem, prejudiquem ou desvirtuem o sentido de fazer política.
Todos nós, seres humanos, somos políticos, na medida em que tomamos atitudes, temos responsabilidades e convivemos com outros da mesma espécie. Somos responsáveis, também, por toda biodiversidade existente. Homem, animal, planta, natureza, Terra. Cosmos.
A política tem que ser exercida de forma drástica para o bem, para a inclusão, para a formação de um todo homogêneo e harmônico. Não pode haver divisão nem favorecimento ou privilégio, senão estará comprometido inevitavelmente o resultado. E se instala o caos.
Se a política é a arte de promover o bem comum, o bem-estar de todos, então, vamos colocá-la em prática, sem meios-termos. Será que é tão difícil promover ações lícitas, exemplares, de interesse geral sem que se conspurquem seus objetivos?
Não há mais espaço para amadores. Não é mais tempo de experimentos. Nem para corporativismos.
É chegada a hora de crescer e de entenderem os políticos que o amadorismo, a indiferença, o autoritarismo, a lavagem cerebral, a mentira, a falcatrua, a hipocrisia, a incompetência não têm mais vez. Assim quer quem tem consciência e deseja o bem para todos. Não para uma classe, ou para um segmento.
A política tem muitas razões.
O povo tem as suas razões e merece que essas sejam concretizadas através do exercício correto da política.
Bem comum. Razão política para construir, edificar, amadurecer e frutificar.

Para reflexão

O homem não deve viver guiado por paixões irracionais, movido por impulsos momentâneos sem uma devida reflexão. A vida humana, aquela que vale a pena ser vivida, é a vida examinada, a vida inteligente. Os homens têm capacidade para tanto. Mas, antes, é preciso escolher ser homem! (Rodrigo Constantino)

terça-feira, 10 de junho de 2008

Loja de Histórias alemã escreve livros sob encomenda

Em uma pequena loja de Berlim, na Alemanha, é possível encomendar livros em que o cliente é o personagem principal. O que você gostaria mais? Uma história de amor, de suspense, de ficção científica ou de aventura? E que tipo de personagem você gostaria de ser? Um cavalheiro, uma rainha ou um astronauta? Quem sabe uma bruxa ou um vilão?. Esta é a pergunta Michael Wäser a seus clientes.

Wäser e sua equipe de escritores escrevem histórias feitas sob medida, de acordo com os desejos dos clientes: o cenário, a época, o estilo, o tema, o número e a personalidade dos personagens, tudo pode ser sugerido ou determinado pela pessoa que faz a encomenda.

Para ajudar os clientes a escolher, Wäser mostra um catálogo. Nele, estão narrações já prontas em todos os gêneros imagináveis, nas quais apenas o nome do cliente como protagonista é mudado. Esses livros custam US$ 25. Já os escritos completamente sob medida custam US$ 260. A maioria dos clientes da Loja de Histórias encomenda os livros para dar de presente.

Mulheres e homens pedem romances nos quais aparecem com seus companheiros em expedições remotas, resolvem juntos complicados enigmas policiais ou lutam pelo amor um do outro em cenários medievais. Também já escrevemos histórias para grupos de velhos amigos que queriam dar a um deles uma aventura conjunta, explica o proprietário.

Os clientes também podem escolher a capa, o tipo de papel e o tipo de letra usados. No futuro, poderão também encomendar ilustrações originais. A Loja de Histórias ainda escreve livros para empresas, como uma clínica médica ou um hotel. A loja também oferece relatos falados. São histórias narradas por locutores profissionais com efeitos sonoros e que são entregues ao comprador em um CD como se fosse uma radionovela, por cerca de US$ 570.

A idéia de Michael Wäser virou um sucesso. A loja emprega dez escritores e se transformou em uma pequena fábrica de fantasias.
Uma boa e lucrativa idéia. Quem não gostaria de receber, como presente, um belo livro com uma história bem escrita que incluísse fatos de sua vida, da de sua família ou de seus amigos? Hum...

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Anvisa regulamenta pesquisas com células-tronco

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) decidiu baixar uma resolução impondo regras às clínicas que armazenam células embrionárias para pesquisa. Antes de ser publicado no Diário Oficial, o documento será submetido a uma consulta pública, para que os interessados no assunto ofereçam sugestões, aperfeiçoando-o.

Há no Brasil cerca de 120 clínicas habilitadas a lidar com a reprodução humana assistida. Elas já são obrigadas a observar os termos de outra resolução da Anvisa, a de n° 33, que também está sofrendo reformulações.

Renata Parca, gerente de Tecidos, Células e Órgãos da Anvisa, explicou que a resolução 33 trata tecidos e células germinativas que têm finalidades reprodutivas. A nova resolução vai tratar da manipulação de células-tronco embrionárias destinadas a pesquisas, regulamentando critérios de coleta, processamento, armazenamento e disponilização das células voltadas à pesquisa.

Os aspectos éticos envolvidos nas pesquisas são tratados pela
Conep (Comissão Nacional de Ética em Pesquisa), prossegue Renata, mas é evidente que, como todas as pesquisas têm que ser comunicadas à Conep, vamos mencionar na resolução, a título de reforço, que o registro é necessário. Esclarece, ainda, a gerente da Anvisa que, numa eventual ação de fiscalização nas clínicas, o comprovante de registro da pesquisa na Conep será solicitado pelos fiscais.

O médico Cláudio Maierovitch Pessanha Henriques é diretor da Anvisa e esclarece que a tarefa de inspecionar periodicamente esses serviços é de responsabilidade de estados e municípios, e diz que não se trata de um controle simples: É muito difícil fazer-se uma verificação individual detalhada. Suponha que o profissional da vigilância queira saber onde está determinado grupo de células...Ele não tem como verificar se é aquele grupo mesmo. A informação depende dos registros e das garantias do próprio estabelecimento... É um ambiente bem difente do que as pessoas imaginam, acrescenta. Parte-se do pressuposto de que os pesquisadores são pessoas sérias, que lidam com instituições abalizadas.

Simultaneamente à elaboração da nova resolusão, a Anvisa realiza um trabalho inédito: uma espécie de recenseamento dos embriões existentes no país. Hoje, ninguém sabe ao certo quantos são. As estimativas contêm variações absurdas: vão de 3.000 a 20 mil embriões. No próximo dia 12 de agosto, a Anvisa vai dispor da informação exata. Nessa data, vence o prazo para que as 120 clínicas informem o número de embriões que produziram até 31 de dezembro de 2007. Terão de esclarecer quantos foram destinados à reprodução humana; congelados; e descartados, por inviáveis. De resto, precisarão dizer se os embriões excedentes já foram destinados à pesquisa ou se continuam “estocados”. Uma vez obtidos, os dados passarão a ser atualizados anualmente. As informações serão lançadas no
SisEmbrio (Sistema Nacional de Produção de Embriões), que foi criado no mês passado, por meio de uma outra resolução da Anvisa, a de n° 29.

As informações servirão para que a sociedade saiba quantos embriões já foram doados para pesquisas e quantos ainda continuam preservados. Nem todos os embriões excedentes poderão ser usados pelos pesquisadores. Cláudio Maierovitch explica: A Lei de Biosegurança, ratificada pelo STF, permite a utilização dos embrições congelados por três anos ou mais até março de 2005. Depois desse prazo, há um vácuo. Só uma nova lei pode autorizar o uso.

sexta-feira, 6 de junho de 2008

Idéias na Mesa - Qualidade

O Centro Empresarial de Santiago e o Comitê Regional da Qualidade promovem, no dia 10 de junho, às 11h 30min, no Auditório do CES, mais uma edição do evento setorial Idéias na Mesa - Qualidade. O tema é o Case do Sistema de Gestão da Qualidade Borrachas Vipal S/A, apresentado por Sílvia Bem Olivo.

Após a palestra haverá almoço de confraternização. O investimento é de R$ 15,00. Confirmações até o dia 09 de junho, pelos fones (55) 3251 2510/5015/1196.

Como sobreviver a um escândalo*

Dick Morris, assessor de propaganda na campanha de reeleição do presidente Clinton, em seu livro O Novo Príncipe (edições em inglês e espanhol), destacou o capítulo denominado Como sobreviver a um escândalo, para tratar dos escândalos com governos e políticos. Lembra que, quando abre um escândalo, o repórter (a polícia ou o MP) que o descreve, tem munição guardada para os próximos dias e os editores fatiam a matéria, pedaço a pedaço, para produzir, a cada dia, uma nova revelação;

Ou seja, de nada adianta querer suturar o escândalo com uma contra-informação no nascedouro da notícia, no veículo que a publicou, pois virão outras logo depois, desmoralizando a defesa. Sem esquecer que outros veículos entram para concorrer com fatos novos;

Diz Morris, que a força de um escândalo é sua importância política, ou seja, quanto está vinculado às decisões de governo. E sublinha: Não há maneira de ganhar na cobertura de um escândalo. A única maneira de sair vivo é dizer a verdade, agüentar o tranco e avançar;

A chave, para Morris, é não mentir. Para ele, o dano de mentir é mortal. Uma mentira leva à outra, e o que era uma incomodidade se aproxima da obstrução criminal da Justiça. Morris diz que é sempre bom olhar e pesquisar bem a reação final do público em relação ao acusado. Se os eleitores se mostram verdadeiramente escandalizados com o que dizem que você fez, é melhor que não tenha feito. Roubar dinheiro quase sempre não se perdoa. Em outros tipos de escândalo, os eleitores se mostram menos intransigentes, mais suaves e compreensíveis, especialmente com escândalos ligados a sexo e drogas.

Da leitura do O Novo Príncipe, uma conclusão se pode tirar: ou em escândalos de forte intensidade o político nada tem a ver ou o jogo está perdido. E se for um escândalo presidencial que afaste inteiramente do governo e sua convivência os responsáveis por traição de confiança (como aliás, espertamente, Lula o tem feito). Caso contrário terá perdido a batalha política. Mas quando os escândalos não são governamentais, e têm farta repercussão, a probabilidade de ter perdido a batalha é muito grande.
*Do ex-blog do César Maia

Especialidades

Este mundo é estranho... Fica difícil de entender porque quanto mais nos especializamos e criamos tecnologia que, em última análise, seria utilizada para melhorar a vida das pessoas, mais comprometida fica a sobrevivência na Terra.

Pequenas e grandes fraudes só comprovam o que ainda somos reticentes em acreditar, por ingenuidade ou ignorância – a corrupção tomou conta de todos os setores da vida nacional e não podemos confiar em mais nada e em mais ninguém.

De certa maneira somos coniventes com toda a sorte de falcatruas que são engendradas atualmente porque não pensamos, não raciocinamos e aceitamos passiva e apaixonadamente, como consumidores vorazes, uma montanha de produtos acondicionados em magníficas embalagens plásticas, resistentes ao tempo por 600 anos! Tudo tão lindo e colorido...Concordamos, acriticamente, em receber as "benesses" governamentais; nos submetemos à influência da mídia que provoca, todos os dias, novas necessidades de consumo...Assim, vamos cometendo pequenos assassinatos e participando, como co-autores, de outros, com maior envergadura e conseqüências.


É desesperador o resultado da reflexão que fazemos à medida que a situação vai ficando insustentável e vemos contaminados a água e o leite que bebemos, o ar que respiramos e até as crenças que temos. A frouxidão de hábitos, costumes e atitudes, aliada à ganância, à prepotência e à auto-suficiência está levando o homem a imolar-se, sem que sobrem fragmentos para contar a sua história. Muito mais poderoso e temido que os dinossauros, agora transformados em amáveis bichinhos de estimação (de plástico!), o homem também pode desaparecer na fumaça do tempo...Com uma diferença elementar – os dinossauros não provocaram o extermínio de sua espécie!

quinta-feira, 5 de junho de 2008

Seus poetas nós sabemos quem são!

Márcio, Rosane, Barbela e Ataliba
Foi um sucesso o lançamento dos três novos livros da coleção proposta pelo Projeto Santiago do Boqueirão, seus Poetas quem são?, no dia 03 de junho, ao cair da noite. O Salão de Atos da URI estava lotado por um público caloroso, que aplaudiu Ataliba de Lima Lopes (poesia), Antônio Manoel Gomes Palmeiro (crônica) e Márcio Brasil (conto), reverenciando o seu talento.
Talvez nem os autores, nem a sua mentora, Professora Rosane Vontobel Rodrigues, tenham percebido, ainda, a importância e a dimensão desse projeto para a cultura santiaguense e, por que não, para a literatura gaúcha e nacional. Santiago é vanguarda ao propor a democratização da cultura, fazendo o livro chegar tão perto do povo, recolhendo, sistematizando, estudando e publicando a produção artística de sua gente. Um luxo!
* A foto é de Naíse Quartieri

quarta-feira, 4 de junho de 2008

Escrever, falar, ouvir e ver

É incrível como as pessoas desprezam a arte de escrever e falar bem. Há pouco tempo, José Saramago disse, do alto de seu talento e experiência: "Hoje, existe uma espécie de menosprezo por essa coisa tão simples que antes era falar com propriedade. Quando eu era trabalhador, sempre tinha as ferramentas limpas e em bom estado. Não conheço uma ferramenta mais rica e capaz que o idioma. E isso significa que se deve ser elegante na dicção. Falar bem é um sinal de pensar bem". Acrescento, ainda, que escrever bem é uma condição inarredável para a credibilidade, a liderança e o sucesso de qualquer profissional, seja político, médico, jornalista, advogado, engenheiro, matemático ou professor de Português.

É lamentável que não se dê importância a algo tão elementar. Mais ainda quando sabemos que a comunicação move o mundo e quem não habilitar-se com competência não tem chance, está fadado à mediocridade e ao desaparecimento. Precisamos ser capazes de convencer e não de vencer. Vence-se normalmente com a força e convence-se habitualmente com as palavras e a razão. Escrever e falar bem são armas de altíssimo calibre que diferenciam um sujeito na multidão. Acrescentam poder.

E não nos damos conta de que existe, ainda, uma habilidade muito maior em significância - a de saber escutar. Como muito bem falou Bolívar, "quem manda deve ouvir, ainda que sejam as mais duras verdades e, depois de ouvidas, deve aproveitar-se delas para corrigir os erros". Por suposto, aí está a chave do desenvolvimento do ser humano ao longo de sua história. Pelo menos daquelas pessoas que têm sensibilidade para perceber o alcance desta competência.

Escrever e falar bem, assim como saber ouvir credenciam o sujeito a desenvolver outra habilidade preciosa – ter olhos para ver além do horizonte, percebendo antecipadamente o que se desenha. Há mais tempo Saramago escreveu, em seu Memorial do Convento, “O mundo de cada um é os olhos que tem”.

terça-feira, 3 de junho de 2008

Poetas, Escritores, Contistas...

Acontece hoje o lançamento de três novas publicações do Projeto Santiago do Boqueirão, seus poetas quem são?, às 19h, no Salão de Atos da URI Santiago, prédio 4 do Campus.Os artistas selecionados são Ataliba de Lima Lopes (poesia), Antônio Manoel Gomes Palmeiro (crônica) e Márcio Brasil (conto).

No programa também a Exposição Rostos e Palavras da Terra dos Poetas, um esquete teatral: Prosa, Poesia... e uma Surpresinha, a cargo do teatrólogo Renato Polga (SMEC) e apresentação de dança do Grupo Gente da Terra, integrante do Piquete Irmãos Sagrilo.

Cumprimento a sensibilidade dos dirigentes empresariais da RBS TV, Jornal Expresso Ilustrado, Viação Centro Oeste, Grupo Batista, RDA Comunicações e Esso - Posto do Nery, que tornaram possível a publicação da obra desses três autores.
O Projeto Santiago do Boqueirão, seus Poetas quem são? é coordenado, com competência e abnegação, pela Professora Rosane Vontobel Rodrigues, do curso de Letras.

Filosofia e Sociologia voltam ao currículo do Ensino Médio

Por força de lei, sancionada hoje pelo vice-presidente, em exercício, José Alencar, as escolas de Ensino Médio deverão, a partir da vigência da norma, voltar a incluir as disciplinas de Filosofia e Sociologia no currículo. Em 1971, durante a ditadura militar, elas foram substituídas por Organização Social e Política do Brasil (OSPB) e Educação Moral e Cívica. Para tornar obrigatório o ensino de Filosofia e Sociologia no currículo do Ensino Médio das escolas brasileiras, o Congresso alterou o artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases, lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996.
Jane Graeff, responsável pela Divisão de Ensino Médio do Departamento Pedagógico da Secretaria de Educação, comenta que o Rio Grande do Sul está na vanguarda do cumprimento da lei, pois as disciplinas já são obrigatórias nos 995 estabelecimentos de Ensino Médio e nas 149 escolas profissionalizantes da rede estadual. Há, no mínimo, duas horas semanais de cada disciplina. Como não existem professores com licenciatura nessas áreas, para todas as escolas, profissionais de outras áreas têm ministrado as aulas, explica Jane.

Os 54 mil alunos da rede de escolas particulares gaúchas também já recebem conhecimento de Filosofia e Sociologia, informa o presidente do Sinepe, Osvino Toillier com, pelo menos, duas horas semanais de cada disciplina.

Filosofia e Sociologia também vão servir para humanizar o conhecimento, melhorar o raciocínio lógico, discutir, aprofundar e consolidar valores éticos e morais, colaborando para a formação de uma consciência cidadã. Se houver quem tenha competência e consciência para educar com sensibilidade.

Josias de Souza, colunista do jornal Folha de São Paulo, comenta, com a acidez dos céticos, em seu blog, a respeito: Alguém já disse que a filosofia, assim como a sociologia, é uma coisa com a qual e sem a qual o mundo continua tal e qual. No Brasil, o mais importante veículo difusor de mensagens filosóficas é o pára-choque de caminhão. Mas, na hora da batida, o que vale é o pára-choque, não a filosofia. Assim também com as escolas. Ao tomar conhecimento de Descartes, os alunos vão se dar conta de que pensam, logo existem. E perguntarão para os botões do uniforme: “Que preceitos cartesianos explicam a existência de tantos professores despreparados e de tão desprezível modelo de ensino?”

Sergio Prates

O amigo e companheiro de PSDB, vereador Sergio Prates, solicitou licença de 15 dias à Mesa Diretora da Câmara de Vereadores, para fazer tratamento de saúde. Diferente do que está sendo especulado pela imprensa, não assume o seu suplente, já que o parlamentar retorna após a licença solicitada. Assumiria seu suplente se a licença fosse de 30 dias.

segunda-feira, 2 de junho de 2008

O tempo na propaganda eleitoral

As eleições municipais para a escolha de prefeitos e vereadores marcadas para 5 de outubro, prevêm uma série de etapas a serem cumpridas pelos partidos. O início da propaganda eleitoral está agendado para 6 de julho.

Este ano há novidades na divisão do tempo na propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão, que, no primeiro turno, começará no dia 19 de agosto, estendendo-se até 2 de outubro. As regras que disciplinam a propaganda eleitoral gratuita constam da Resolução 22.718/08, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Uma das novidades trazidas pela Lei 11.300/06 é a divisão de dois terços do tempo da propaganda, de acordo com o número de deputados federais eleitos em 2006. Até o último pleito, a divisão levava em conta a representação de cada partido na Câmara dos Deputados quando do início da legislatura em curso, considerando o número de deputados que tomaram posse naquela data.
Segundo a Resolução 22.718/08, serão veiculados dois blocos diários de 30 minutos no rádio e na televisão. Um terço deste tempo, dez minutos, será dividido de forma igualitária entre todos os candidatos (ou coligações). Os outros dois terços, que totalizam 20 minutos, serão divididos conforme a quantidade de deputados federais eleitos em 2006. Se houver coligação, somam-se os deputados eleitos de cada partido que a compõe.

Assim, ainda não há como calcular o tempo que cada coligação terá em Santiago. Isso só será possível após o registro oficial das candidaturas. O cálculo para saber o tempo de cada partido é levar em conta a representatividade de cada legenda na Câmara dos Deputados. Este número vale para os 20 minutos do tempo previsto e é o mínimo a que tem direito cada partido. O cálculo pode variar conforme o número de siglas que irão participar do pleito.

Representatividade por partido na Câmara dos Deputados (somente dos partidos que existem em Santiago):
Partido – Número de deputados na Câmara – tempo de rádio
PMDB (89) – 3'45''

PT (83) – 3'22''
PSDB (66) – 2'56''
DEM (65) – 2'52''
PP (41) – 1'59''
PDT (24) – 53''
PTB (23) – 49''
PPS (22) - 35"
PRB (1) – 3''

Íntegra da entrevista de Vulmar Leite à FOLHA Santiago

Vulmar Leite, pré-candiato ao Executivo pelo PSDB, PDT e Dem, concedeu entrevista ao editor do jornal A FOLHA Santiago, na edição 111, publicada no dia 30 de maio. Aqui, a íntegra da entrevista que, por razões de espaço, não foi publicada em sua totalidade:
1. Como o senhor avalia sua preferência pelo eleitorado sondado na enquete publicada neste jornal sexta-feira da semana passada?

Com naturalidade e otimismo, porque os resultados da enquete me colocam numa boa condição para iniciar a campanha e vencer as eleições.

2. À que o senhor atribui o percentual de preferência? Considera fidedigno à realidade neste período de pré-campanha eleitoral? Por quê?

À lembrança da população ao nosso governo, que promoveu profundas transformações na infra-estrutura rural e urbana, nos serviços públicos e que protagonizou conquistas importantes que mudaram o perfil da nossa comunidade. Confio na lisura do Jornal A FOLHA; qualquer enquete ou pesquisa manipulada está sujeita a ser desmoralizada por novas pesquisas, realizadas por instituições idôneas ou pelas urnas.

3. O senhor acredita que a oposição tem condições de enfrentar este pleito em condições de igualdade, apesar da supremacia financeira do PP? A prestação de contas deixa muito claro quem tem mais dinheiro para fazer campanha, então, o senhor está dizendo que vence a eleição sem dinheiro, sem doadores, sem donativos, sem despesa com gráfica, mídia e tudo o mais que o povo está careca de saber?

Igualdade financeira certamente que não haverá, pois o dinheiro sempre foi o melhor argumento de campanha dos representantes do continuísmo conservador; valeram-se do capital financeiro para se manter no poder por mais de um século, além da máquina pública que os seus governos usam e abusam nos processos pré-eleitoral e eleitoral – empreguismo, contratações emergenciais, distribuição de benefícios especiais, além da sistemática coação econômica sobre comerciantes e prestadores de serviços, inibindo-os de manifestarem suas idéias e da própria participação política de forma livre e autônoma.

Felizmente os tempos mudaram, a população está mais consciente de sua cidadania, o voto é eletrônico, a Justiça Eleitoral está vigilante, a educação em seus diversos níveis se tornou acessível a todos, ricos e pobres - ser doutor não é mais privilégio só das famílias mais abastadas. Sinto que o capital humano, de forma livre e soberana, é que vai decidir os rumos de Santiago em todos os processos eleitorais do presente e do futuro.

É evidente que dependo de doações e de contribuições para fazer uma campanha eleitoral digna e eficaz. Minha expectativa é de que as pessoas, partidárias ou não, façam contribuições financeiras, doações de materiais e insumos de campanha, realizem trabalho voluntário a fim de viabilizarem nosso projeto de desenvolvimento para Santiago. Dessa forma terei reais condições de enfrentar o continuísmo conservador através do debate idéias e da apresentação de projetos que promovam a melhoria da qualidade dos serviços públicos, aprofundem a eficácia da gestão municipal, tenham absoluta transparência no gasto do dinheiro público, além de serem promotores da geração de emprego e renda para a nossa população.

4. Caso seu nome seja confirmado como pré-candidato de seu partido, por acaso, tem um programa para apresentar à comunidade, obviamente, através dos veículos de comunicação? (SE A SUA RESPOSTA FOR SIM, SINALIZE OS PRINCIPAIS PONTOS DESTE PROGRAMA QUE NADA MAIS É DO QUE SUAS IDÉIAS CONSOANTES AS DIRETRIZES DE SEU PARTIDO. OU NÃO TEM NADA A RESPONDER?)

Certamente que sim; se não, qual a razão da candidatura? Pretendo apresentar à população de Santiago, na abertura da campanha eleitoral, um conjunto de propostas consistentes, que serão discutidas amplamente e transformadas em políticas públicas inclusivas e desenvolvimentistas. Nosso grupo de trabalho está estudando os programas atualmente em execução com o intuito de torná-los transparentes quanto aos resultados alcançados e às despesas e investimentos realizados.

Vou dar continuidade a todos os programas existentes e perfectibilizar seu objeto, além de criar novas alternativas que atendam às necessidades da população. Nenhum prefeito tem o direito de interromper projetos que começaram em gestões anteriores ou mesmo trocar o nome, pois além de não ser ético fere o príncípio da continuidade administrativa. Não confundir com continuísmo político. A Administração Municipal tem que funcionar como numa corrida de revezamento, o grupo que está administrando tem fazer o máximo e entregar o bastão para que o sucessor possa fazer ainda mais.

5. O senhor aceitaria, caso seu partido decidisse, concorrer a vice e abrir mão da cabeça de chapa, em favor de que candidato a prefeito? (VULMAR, SANDRO PALMA, JULIO RUIVO, TONINHO, DINIZ COGO???)

Não sou candidato por vontade individual e sim por vontade coletiva dos integrantes do PSDB e do PDT, e de muitos Santiaguenses que desejam para o nosso Município a retomada do Caminho do Desenvolvimento. Portanto, cabe a esses partidos decidirem sobre a minha participação no processo eleitoral. Em favor da unidade dos partidos de oposição, aceitarei qualquer decisão que for tomada pelo PSDB e PDT.

6. Santiago vive o fantasma da violência crescente, do desemprego escancarado, caso seu nome seja elevado à condição de candidato a prefeito, como pretende enfrentar esse grave problema? E, ainda que não concorra na majoritária, qual é a posição de sua sigla diante dessa realidade?

Os serviços de segurança pública são competências constitucionais dos Governos estaduais e federal, mas entendo que o município deve protagonizar ações que articulem e fortaleçam as ações no âmbito municipal da Brigada Militar, Polícia Civil e da própria ação da Polícia Federal na repressão aos crimes de jurisdição federal, do Poder Judiciário, Ministério Público e da Defensoria Pública, além da reestruturação da Guarda Municipal. Nesse sentido estamos preparando um conjunto de ações para serem discutidas com os órgãos de segurança, o Judiciário e com a população de Santiago. A insegurança, a violência e o desemprego podem ser combatidos eficazmente se a comunidade e suas forças atuantes estiverem comprometidas e alinhadas para a tomada de medidas conjuntas.

7. A Administração Municipal de Santiago é considerada satisfatória, porém protagonista de um continuísmo partidário mantido pelo que especialistas não-filiados, não-comprometidos, denominam de aparelho ideológico do PP. O que tem a dizer a respeito disso?

O continuísmo conservador que se aboletou no poder público municipal se mantém, ao longo da história, graças à submissão dos dirigentes municipais aos interesses do grupos econômicos dominantes. Eleitos com o apoio do poder econômico não conseguem implementar políticas públicas de longo prazo augestionárias e sustentáveis. As nomeações de assessores e a escolha de prestadores de serviços são realizadas, predominantemente, por critério partidário, fragilizando a gestão pública e onerando os erário pela gastança desenfreada e improdutiva. Pior efeito à comunidade é o aparelhamento partidário das entidades e instituições privadas, pois esse expediente compromete o crescimento dessas organizações, mediocriza suas atividades e ações e inibe o surgimento de novas lideranças na comunidade, em decorrência do brutal patrulhamento ideológico a que historicamente são submetidas. Perde a Prefeitura, perdem as instituições, perde a sociedade porque tem o seu desenvolvimento natural tutelado.

8. O senhor entende como oportunismo o fato de o PP ser aliado do PT em nível municipal e adversário em âmbito estadual?

As eleições municipais não seguem a regra estadual e nacional, os arranjos políticos locais não obedecem às ideologias partidárias que orientam a formação das alianças estaduais e federal. Em tese não vejo nenhuma contradição ou oportunismo à aliança PT-PP. Por outro lado, considerando a nossa realidade local e as históricas lutas da militância tradicional de um e de outro partido nos pleitos municipais, fica difícil de entender essa aliança. Caso se confirme, devemos respeitar a vontade soberana dos partidos.

9. O senhor poderá, caso venha a ser efetivamente candidato, bancar sozinho as despesas de sua campanha ou não? Quem vai sustentar sua candidatura, afinal terá de prestar contas à Justiça Eleitoral conforme determina a legislação, pois se isso não for feito, a cassação é inevitável. Seu partido tem dinheiro para bancar as despesas ou depende de doações?

Minha campanha terá que ser sustentada pelas contribuições arrecadadas pelos partidos e por doações de pessoas físicas e jurídicas, de acordo com a norma legal. Meu partido no âmbito municipal não recebe subvenções do fundo partidário, depende de contribuições e de doações. Também vamos fiscalizar o uso da máquina pública na campanha eleitoral, inclusive estamos examinando a possibilidade de fazer uma representação à Justiça Eleitoral sobre eventos já realizados e que estariam programados pela Prefeitura, que são verdadeiras inaugurações-comícios.

10. Que garantia o senhor dá a população do município de Santiago que saberá enfrentar a falta de lazer, a poluição dos rios, o desemprego, e principalmente, justificar a aplicação de verbas sem desvios de rubricas, caso seja eleito prefeito?

Adotando políticas públicas e apoiando projetos de desenvolvimento econômico que promovam a geração de emprego e renda, bem estar social e sustentabilidade ambiental.

O gestor público tem o dever de prestar contas aos munícipes sobre todos os seus atos, a população tem que saber sobre tudo, como por exemplo: quem são os prestadores de serviços, o que fazem e por quanto fazem; quanto custa por mês o futsal e os prédios locados; quanto gasta com as obras de pavimentação e com o funcionalismo municipal; com a limpeza pública e com combustíveis; com a renovação de contratos emergenciais e com a remuneração dos agentes públicos, entre outros.

No nosso governo a população vai ter acesso direto e imediato a todos os atos da Prefeitura, além de contar com mecanismos legais para a efetiva participação popular na formulação das políticas públicas e na fiscalização das ações do poder executivo.

11. Considerações finais.

Queremos reafirmar à comunidade de Santiago, nossa firme determinação servi-la, com lealdade, dedicação, transparência e muito trabalho, além de radicalizar o diálogo na busca de soluções para os angustiantes problemas que a afligem - desemprego, diminuição da renda e da produção, deficiente gestão dos serviços públicos de saúde, etc. Pretendemos unir todas as pessoas, todos segmentos politicos, econômicos e sociais na busca do bem comum.

Mesmo com recursos escassos, advindos de gestos voluntários e solidários de amigos e companheiros, faremos uma campanha marcante, assentada na proximidade com a nossa gente, sempre tão generosa, sensível e parceira, pois é dela que advém a força que nos move para lutarmos e tornarmos realidade os sonhos que sonhamos juntos.