Acompanhando Interface Ativa!

domingo, 18 de maio de 2008

Salva-vidas

Bafômetro eletrônico na discoteca Le Castel, em Nantes

Esta semana, na França, país onde as bebidas alcoólicas, sobretudo o vinho, são consideradas produto social, cultural e mesmo um alimento, o governo criou um decreto que obriga a instalação de bafômetros eletrônicos em 45.000 bares, discotecas, restaurantes que ficam abertos até ou além das 2 horas da madrugada.

A medida é inédita no planeta e entra em vigor em janeiro de 2009. Para os padrões brasileiros parece pouco um fim de semana quando se registra 19 mortes em acidentes de carros devido ao consumo de álcool. Pois bem, na França o fato foi suficiente para o ministro dos Transportes, Jean-Louis Borloo, cuja fama é de ser bom de copo, anunciar a possibilidade de se conhecer o nível de alcoolemia antes de pegar no volante. Os consumidores não são obrigados a fazer o teste que mede a concentração de álcool no sangue, mas podem se prevenir da surpresa de serem flagrados alcoolizados pelo guarda de trânsito. E claro, evitar de figurarem em uma estatística macabra: uma em cada três mortes no trânsito tem como origem a embriaguez do motorista. A luta do governo francês contra o consumo de álcool prevê proibir a venda de bebidas nos postos de gasolina.

Também já é possível comprar carros com a opção de um bafômetro eletrônico - 135 euros nos carros da Renault e 99 euros nos da Citroën. Mas a auto-avaliação do motorista parece ter seu futuro comprometido na indústria automobilística. A Volvo lançará modelos que travam a ignição caso o painel de controle detecte 0,05 gramas de álcool por litro de sangue. A Toyota trabalha no projeto de um sistema que mede o teor alcoólico no sangue do motorista através da transpiração da palma da mão. O sensor fica no câmbio de marchas. O telefone celular LP4100 da LG, equipado com um bafômetro eletrônico, já vendeu mais 30.000 unidades na Coréia do Sul. E estará à venda na França no segundo semestre deste ano.
E no Brasil, o que está sendo feito, efetivamente, para diminuir as mortes por acidentes de trânsito em que está envolvido o consumo de álcool? Até agora, nada, já que a cada tentativa, entra em campo o corporativismo e aniquila as ações.

Nenhum comentário: