Acompanhando Interface Ativa!

terça-feira, 22 de abril de 2008

Estudo mostra como a Constituição de 1988 foi fraudada

Do blog do jornalista Políbio Braga:
"Não dá para compreender por que razão a totalidade da mídia gaúcha ignorou o seminário que a Ajuris [Associação dos Juristas do Rio Grande do Sul] promoveu para discutir o trabalho de Adriano Benayonb e Pedro Antonio Dourado de Rezende, intitulado Anatomia de uma fraude à Constituição.

Pois os dois estudiosos produziram um alentado trabalho de 28 laudas, baseado em pesquisas profundas efetuadas sobre a totalidade dos anais da Constituinte de 1988, concluindo que o atual ministro da Defesa, Nelson Jobim, e o então deputado federal do PTB, Gastone Righi, fraudaram a Constituição.

Na qualidade de relator de verdade (o relator formal foi Bernardo Cabral), Nelson Jobim introduziu dispositivo que não foi aprovado pelos constituintes, modificando o artigo 166, parágrafo 3º, Inciso II, alínea B, que trata do serviço (pagamento) da dívida externa, o que causou prejuízos estimados em R$ 55 bilhões ao País, apenas em 1989. O artigo beneficiou os credores (bancos) internacionais da dívida externa. Houve dolo".

Adriano Benayon é doutor em Economia, diplomata, advogado, consultor legislativo da Câmara Federal e do Senado e professor de Economia Política na Universidade de Brasília (UnB).

Pedro Antônio Dourado de Rezende, professor de Ciência da Computação da Universidade de Brasília (UnB), coordenador do programa de Extensão Universitária em Criptografia e Segurança Computacional da UnB, ATC PhD em Matemática Aplicada pela Universidade de Berkeley (EUA), ex-representante da sociedade civil no Comitê Gestor da Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil).

Leia mais em
Anatomia de uma fraude à Constituição

Um comentário:

Anônimo disse...

intiresno muito, obrigado