Acompanhando Interface Ativa!

terça-feira, 29 de abril de 2008

Eu recomendo...

As Memórias do Livro
Geraldine Brooks
Ediouro

Uma pequena asa de borboleta se ergueu sob a leve brisa da porta aberta e flutuou até pousar, sem que ninguém percebesse, sobre a página aberta da Hagadá...

Da Espanha de 1480 até a enfraquecida Sarajevo de 1996, um livro sagrado de valor incalculável é caçado por fanáticos políticos e religiosos. Seu destino está nas mãos de uma talentosa conservadora de livros, Hanna, e sua recuperação resulta em um mistério histórico surpreendente, que vai sendo desvendado página a página.

A Hagadá é uma obra-prima única, que nasceu e sobreviveu por séculos, apesar do anti-semitismo e até mesmo da própria doutrina judaica. Diferente de todos os manuscritos da época, trazia iluminuras em ouro e prata, o que contrariava cânones religiosos da época, que proibiam qualquer tipo de ilustração. Só isso já tornava a Hagadá uma raridade.

E propunha um de seus maiores enigmas: por que e por quem fora feita? A sobrevivência a séculos de brutalidade e intolerância religiosas na Europa era mais um de seus mistérios. Como atravessara a Inquisição Espanhola? Como se salvara das perseguições nazistas? Hanna chega a Sarajevo com muitas perguntas para serem respondidas. E uma asa de borboleta dentro da Hagadá pode começar a desvendar um caminho longo, tortuoso, repleto de ódio declarado e amores escondidos; pleno de preconceitos e de libertação.

A Hagadá – narrativa da libertação e da saída dos judeus do antigo Egito, entremeada de ensinamentos rabínicos, salmos de louvor, canções e trechos bíblicos, compilada da tradição oral e que é recitada na primeira noite da Páscoa judaica – de valor incalculável é o resgate do sofrimento dos povos em guerra, dos conflitos raciais, da agonia das minorias, como os judeus e os bósnios, diante do absolutismo de quem detém o poder.

É a salvação de um livro contra a morte de milhares de pessoas. É a declaração de afeto e dedicação entre povos onde só se julgava existir ódio. E é pelas mãos de Hanna, a conservadora de livros, que o leitor reconstitui o caminho do manuscrito e a história de vários povos, de diversas épocas. As Memórias do Livro nos cativa, seja por sua narrativa, seja por seu caráter de documento histórico, seja por suas revelações. De amor, ódio, traição e afeto. Impossível deixar de conhecê-la.

Nenhum comentário: